João Pessoa, 24 de março de 2017 | 23ºC / 29ºC 05:53 0.9 | 12:04 1.9 | 18:36 0.8 $ Dólar R$ 3,08 - € Euro R$ 3,34

ÚltimaHora

Especialista em Mídias Digitais, Comunicação e Mercado pelo Centro de Educação Superior Reinaldo Ramos (CESREI)

Por que falar da MORTE?

Comentários:
01/11/2016 às 15h56
A- A+

Vou começar meu papo com neste dia com um dos hinos mais antigos da Igreja Católica no que se diz respeito à morte, e muitas pessoas que já morreram professaram esse refrão em vida: “Nós cremos na vida eterna, e na feliz ressurreição, quando de volta à casa paterna, com o Pai os filhos se encontrarão”.

Sabemos que para nós, os católicos, o dia de Finados é a mistura de tristeza, mistério e certeza que nossos entes queridos estão ou não em um lugar melhor que nós. Muito nem gostam de falar da morte, por medo ou superstição, mas já dizia o próprio Filósofo Agostinho “A morte é apenas uma passagem” e falar da Morte é falar da Vida.

Muitos ficarão surpresos com isso!  Justo a morte? Assunto tido como funesto, tenebroso, a maioria foge até de pronunciar o seu nome, quanto mais falar sobre ela. Mero engano. É justamente consentindo falar dela e sobre ela que aprendemos a plenitude do significado da Vida. Deveríamos, por pequenos minutos diários, ter por hábito pensar em nossa FINITUDE.

Afinal a morte revela o caráter absurdo da existência humana, já que interrompe radical e violentamente todo o projeto existencial, toda a liberdade pessoal, todo o significado da vida.

Lendo Savater (2001) cheguei à conclusão que a certeza pessoal da morte nos humaniza, nos transforma em verdadeiros humanos, em mortais. Podemos dizer, então, que é a conscientização de nossa finitude, de nossa condição humana, de nossa singularidade como mortais e que nos abre a possibilidade de pensarmos em humanização. Ou seja, um homem é humano porque é mortal, e é saber que é mortal que o torna humano.

Que neste dia de finados possamos fazer uma reflexão da vida, e ter como certeza o que Manilius nos diz “Começamos a morrer no momento em que nascemos, e o fim é o desfecho do início.”

Leia Também

CELEBRIDADES

‘Já perdoei faz tempo’, diz Scheila sobre traição de Tony Salles

Vou começar meu papo com neste dia com um dos hinos mais antigos da Igreja Católica no que se diz respeito à morte, e muitas pessoas que já morreram professaram […]

Colunas

Whatsapp(83) 99346-5236

  • Gilberto Gil e Raimundo Asfora, em Campina Grande
  • Pôr do sol em Marizópolis
  • Arco-íris no bairro do Cuiá

Arco-íris no bairro do Cuiá

Enviado por
Amanda Assunção

mais lidas