João Pessoa, 23 de fevereiro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

2014

Comentários:
publicado em 31/12/2015 às 15h14

Foi um ano difícil até pra quem ganhou. Que o diga o governador Ricardo Coutinho e a presidente Dilma Rousseff, ambos reeleitos na Paraíba e no Governo Federal, respectivamente, em cenários de intensa disputa e de ameaça reais de derrota nas urnas, em certos momentos da campanha.

Não que o ano tenha sido nulo e absolutamente negativo, até porque mesmo nas adversidades há ensinamentos, aprendizados e fortalecimento, mas os depoimentos colhidos – de políticos, gestores, empresários, a trabalhadores comuns – robustecem a certeza de que o ano deixou profundas marcas a serem superadas.

Na economia, com as altas e dores de cabeça para o cidadão. Na política, os novos escândalos de corrupção que colocam o contribuinte em profundo estado de descrédito e com o pé atrás em relação ao futuro da Nação. Estamos saindo de 2014 com um País rachado, ao meio.

Um ano atípico. A eleição presidencial veio em ondas. Começou com Dilma em céu de brigadeiro com projeção de vitória logo no primeiro turno. Depois, assistiu a morte de Eduardo Campos e o súbito ingresso e favoritismo de Marina Silva, a virada de Aécio chegando ao segundo turno e, por fim, o acirramento e vitória de Dilma.
Na Paraíba, Ricardo começou a campanha “condenado” a perder e Cássio “predestinado” a ganhar. Nas convenções, o PT virou a casaca e se abraçou com Ricardo, o PMDB improvisou uma candidatura e aderiu no segundo turno. O resultado, todos, sabem. Ricardo virou o jogo e quebrou tabus.

Nas artes, foi um ano de muitas perdas. No nosso futebol, de decepção e vexame nacional. No cotidiano, de explosão da violência. No resumo; 2014 entrou na lista daqueles que para a maioria se conta as horas do seu término. Mas como todo bom brasileiro não desiste nunca e o otimismo é a nossa marca, é o sentimento de superação e bons ventos que bate à porta de 2015.

*Reprodução do Correio da Paraíba.

Leia Também