João Pessoa, 09 de Fevereiro de 2010 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

A leitura de Benjamim

Comentários:
publicado em 09/02/2010 às 06h44

Nesta eleição, o PMDB não será nem de longe aquele partido que em 2006 cedeu aos caprichos de aliados e engoliu na vice Luciano Cartaxo (PT) e Edvaldo Rosas e Vituriano de Abreu nas suplências de senador. Pelo menos se depender do entendimento do ex-deputado federal Benjamim Maranhão, sobrinho do governador.

Beijinha analisa a partir de um princípio lógico da política: vence quem soma mais. Ou seja, a chapa peemedebista, na opinião do presidente do PMDB de João Pessoa, precisa agregar o maior número possível de nomes com potencial de votos.

Benjamim também defende o critério da geografia estadual. É necessário, na ótica dele, escolher candidatos na chapa que representem capilaridade eleitoral em diferentes regiões do Estado. A estratégia é pulverizar a penetração perante o eleitorado paraibano.

A olho nu o ex-deputado está completamente certo. O problema será convencer o PT, por exemplo, a ficar apenas com o osso da sopa, porque partindo desse raciocínio a vice de Maranhão não ficaria com o Partido de Lula por absoluta falta de quadros que preencham os requisitos eleitos por Benjamim.

E de fato o PT da Paraíba sofre do "mal de votos". A exceção de Luiz Couto, a legenda não dispôe de um nome com tarimba nas urnas suficiente para figurar como companheiro de Maranhão na reeleição.

Ter uma chapa competitiva é questão de primeira ordem no seio maranhista. Os estrategistas do governador sabem que enfrentarão um time onde joga Ricardo Coutinho, de bem com a torcida pessoense, um atacante com a desenvoltura de Cássio Cunha Lima, aclamado pelos torcedores de Campina Grande, e um volante armador com a malícia de Efraim Morais, preciso nos passes para prefeitos do Sabugi e Alto Sertão.
 

Roberto Cavalcanti – Anotem. O senador Roberto Cavalcanti (PRB) não vai aceitar ser alijado do processo da formação de chapa do grupo maranhista em 2010. Internamente ele avalia que o conglomerado de comunicação que preside tem peso e força em qualquer eleição na Paraíba.

Será? – De repente, mais que de repente, os boatos sobre visitas de petebistas ao governador José Maranhão e emissários se intensificaram. Primeiro foi a história de Armando Abílio com Fátima Bezerra, depois foi a vez de Tavinho Santos e até o prefeito de Sousa, Fábio Tyrone, entrou na lista da boataria.

Leia Também