João Pessoa, 22 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Maranhão entra no jogo

Comentários:
publicado em 06/03/2010 às 20h08

Enquanto alguns setores da oposição entoam o grito precoce de "já ganhou", o governador José Maranhão aproveita todas as brechas que encontra para fazer fissuras na barragem de partidos aliados ao prefeito Ricardo Coutinho.

O primeiro alvo foi o PTB. Maranhão percebeu o bate-cabeça entre Armando, Carlos Dunga e o PSB e entrou em cena. Papou a legenda que há dois anos cantarolava a aliança Cássio/Ricardo. No mínimo, uma baixa de tempo no guia eleitoral.

O governador mira agora no PC do B, muito menos pelo poder de fogo dos comunistas e mais pela representatividade e simbolismo da adesão ao projeto de reeleição peemedebista.

Se depender do discurso do presidente do partido, Agamenon Sarinho, o PC do B deve embarcar na candidatura maranhista. A alegação: o PMDB está mais próximo do projeto Dilma Roussef. Papa figo engana menino.

Ainda estão no alvo de Maranhão o PR, de Wellington Roberto, e o PDT, de Damião Feliciano, dois partidos a preço de hoje mais propensos a se vestir de vermelho do que a carregar a bandeira alaranjada.

Zé finge que dorme.

Cotação

Dificilmente o deputado federal Damião Feliciano define o futuro do PDT antes de junho. Vai estudar e avaliar muito antes de tomar uma decisão final.

Convencimento

A última pedra removida por Armando Abílio para avermelhar de vez era o genro Leonard Johnson, auxiliar de Ricardo na Prefeitura e cassista convicto. Já compreendeu os motivos do sogro.

Pedra no sapato

O maranhismo, como diria Gilvan Freire, tenta, mas não consegue esmorecer o ímpeto crítico do deputado federal Quinto de Santa Rita. Quando abre a boca, o filho de Marcos Odilon sempre faz um calo no Governo.

Estatística do silêncio

O silêncio de ambos os grupos quanto ao quesito pesquisa de opinião leva a qualquer bom entendedor concluir que os números devem mostrar acirramento. Explicação simples: até agora, ninguém tem interesse em divulgar os resultados.
 

Leia Também