João Pessoa, 25 de fevereiro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

A pesquisa Ibope e os reflexos

Comentários:
publicado em 28/05/2010 às 19h48

Não dá mais pra atribuir a vantagem do governador José Maranhão a maracutaia de interesse governamental ou pesquisa comprada. O resultado IBOPE destruiu esse argumento.

Não adianta ficar tentando mexer com o mérito da pesquisa ou atribuir o resultado adverso a mais uma jogada de bastidores do grupo do governador.

Esse argumento certamente não terá substância, tendo em vista a histórica proximidade dos Grupos São Braz e Cunha Lima.

Aparentemente, esse deve ser o quadro nu e cru.

Passado o vendaval dos números divulgados pelo Sistema Paraíba de Comunicação, o núcleo íntimo da campanha do pré-candidato do PSB precisa agir com frieza e preparar uma reação agressiva de reversão da tendência maranhista perante o eleitorado.

É preciso fazer avaliações e reflexões sobre o que pode ter induzido o eleitor paraibano a mudar o desejo de acompanhar o projeto do PSB.

A queda nas pesquisas seria reflexo da aliança com Cássio e Efraim? Essa é uma pergunta que deve ser feita, mesmo sabendo que agora não há mais como retroagir.

O que pode ser feito para superar esse baque e aproveitar o índice de rejeição do governador para reverter o favoritismo, agora atestado pelo badalado Ibope?

Quais são os calos da gestão Maranhão que podem ser explorados e lhe tirar pontos na preferência do paraibano?

As indagações são muitas. Por enquanto, apenas uma certeza: Maranhão avança e a oposição tem muito trabalho pela frente para atingir o desejo de ocupar a cadeira mais cobiçada do Palácio da Redenção.

Leia Também