João Pessoa, 16 de dezembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

O significado das perdas

Comentários:
publicado em 06/07/2010 às 10h45

Em três meses, a candidatura de Ricardo Coutinho (PSB) sofreu dois abalos que precisam ser considerados no processo eleitoral e que podem ter efeitos vários na campanha.

Primeiro foi o PTB de Armando Abílio, um dos precursores da tão polêmica e agora real aliança de Ricardo e Cássio Cunha Lima (PSDB).

Agora, no desfecho dos registros das candidaturas, o PSB perde outro aliado de “primeira hora”: o PP de Enivaldo, Aguinaldo e Daniella Ribeiro.

A saída dessas duas legendas no mínimo consegue imprimir um efeito psicológico pelo menos na classe política mais acostumada a botar peso onde a balança pende mais.

O PP sempre discursou e defendeu a aliança com Ricardo. Divergiu do bloco cassista, quando o tucano ainda estava no poder para apostar na vitória de Coutinho em 2008.

Cansei de ouvir entrevistas de Aguinaldo Ribeiro no Correio Debate, da Correio Sat, convencido que o caminho irreversível seria votar em Ricardo para governador. A justificativa era o “sentimento do povo”.

Imaginava-se que os Ribeiros seguissem com o PSB até o fim da caminhada, até pelos gestos públicos de Ricardo demonstrando simpatia ao nome de Daniella Ribeiro. O final da novela foi bem diferente do script pré-anunciado.

Por mais que se considere PP e PTB partidos dominados pelo fisiologismo e pragmatismo político, as duas adesões têm significado de peso nesse começo de campanha.

Afinal, numa eleição acirrada onde um voto faz a diferença, qualquer perda pode ser fatal.

Fragilidade – O deputado Romero Rodrigues (PSDB), candidato a federal, tido como o pivô do rompimento do PP, não engoliu as desculpas apresentadas por Aguinaldo Ribeiro. “Nem um menino acredita nisso”.

Sem mágoas – Rômulo Gouveia (PSDB), vice de Ricardo, não quis atacar a família Ribeiro. Considerou a adesão uma decisão pessoal e desejou boa sorte a todo o clã campinense.

Leia Também