João Pessoa, 18 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

A faixa

Comentários:
publicado em 26/12/2010 às 12h33

E eu até cheguei a comemorar. Finalmente a Paraíba assistiria o primeiro gesto da distensão política e da civilidade democrática, clima tão aspirado ao longo de desde últimos 20 anos de peleja e guerra.

Até imaginei a cena e o gesto de grandeza do governador José Maranhão (PMDB), o mesmo que um dia foi cassado e vítima do Golpe Militar.

Seria um ato de coroação da elástica passagem de Maranhão pelo Palácio da Redenção e sinalizaria um tempo de menos arengas e mais vontade política em torno de objetivos comuns.

Mas não foi dessa vez. O governador evitou ao máximo confirmar participação na solenidade de transmissão de cargo ao governador diplomado Ricardo Coutinho (PSB).

Na reta final, mais uma vez adiou o que a parcela mais sensata do povo da Paraíba aguardava: um lance de despreendimento e espiríto público de seus governantes.

Maranhão decidiu não ser o protagonista deste capítulo da história paraibana. Preferiu ser mais um entre tantos ex-governadores e autoridades na posse da presidente Dilma Roussef (PT).

O nosso governador perdeu uma chance particular de sair de cabeça erguida do Governo da Paraíba. A trajetória do próprio Maranhão e o avançar da idade careciam de uma saída honrosa, digna de um estadista.

No livro de sua caminhada, Maranhão não poderia deixar de escrever essa página.

Marizópolis – Não tem viagem internacional ou programa com significado maior do que revisitar suas origens e seu povo. Entre tantas atividades e preocupações, guardei um pedaço de minhas férias para voltar a beber na fonte que me fez homem. Alegria de ver a família, os amigos e principalmente saber que a cidade começa a acreditar que a hora de ser feliz é a gente que faz.

Leia Também