João Pessoa, 24 de julho de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
entrevista

Dulce Maria fala do desejo de gravar com Anitta

Comentários:
publicado em 24/07/2021 às 11h57
atualizado em 25/07/2021 às 05h41
A- A+

Kubitschek Pinheiro MaisPB

Fotos – Mário Macin

A cantora e atriz mexicana Dulce María conversou com o MaisPB esta semana sobre o single ‘Amigos Con Derechos’, o sexto lançamento do projeto de sua trajetória, ‘Origen’, que marca também a consistência na carreira musical de Dulce, que após se tornar mãe, em dezembro do ano passado, não deixou de presentear os fãs com trabalhos inéditos. A outra novidade foi dita por ela: “quero gravar com Anitta”

A mexicana falou sobre as expectativas com a canção, revelou a saudade que sente do Brasil, e comentou sobre gravar um feat com Anitta. “Eu amo o Brasil e tenho uma admiração muito grande pela Anitta. Ela tem conquistado êxitos muito grandes. Tive a oportunidade de estar com ela duas vezes e nos demos muito bem. Ainda não tivemos a oportunidade de fazer algo juntas, mas eu adoraria gravar com ela e com muitos outros artistas brasileiros que me encantam”, disse

Durante o evento, Dulce também relembrou ‘Extranjera’, seu primeiro álbum solo, e ressaltou a importância de ‘Origen’. “Em ‘Extranjera’ era o início desse sonho, de trilhar um caminho solo.

Com o trabalho completamente autoral, que inclui os singles ‘Más Tuya Que Mía’ e ‘Te Daría Todo’, já conhecidos do público, e ‘Lo Que Ves No Es Lo Que Soy’, ‘Nunca’ e ‘Tú y Yo’, Dulce alcançou os primeiros lugares de vendas digitais em mais de 15 países, liderando importantes rankings da indústria da música como iTunes.

A carreira como atriz já é um sucesso. O papel de protagonista com a personagem Victoria, a segunda temporada da série “Falsa Identidad” continua ocupando as posições em alta da Netflix em mais de 10 países.

Dulce María é mãe de María Paula, de sete meses. A artista também divide que está se adaptando bem a rotina da maternidade

Dulce María Espinosa Saviñón iniciou sua carreira em 1990, quando, aos cinco anos, ingressou em comerciais de televisão e, três anos depois, integrou o elenco da série infantil Vila Sésamo, tornando-se conhecida internacionalmente apenas em 2004, quando atuou como protagonista Roberta Pardo na novela Rebelde, e paralelamente integrou o grupo musical mexicano RBD. Antes, em 2000, havia começado a fazer parte do grupo feminino Jeans, mas saiu dois anos depois para atuar na novela Turma 406.

Em sua carreira solo, ela lançou seu álbum de estréia, Extranjera (2011), que estreou em primeiro lugar na parada de álbuns mexicana, seguido por Sin Fronteras (2014) e DM (2017). Ela foi indicada e vencedora de vários prêmios internacionais, como MTV Europe Music Awards, Premios Juventud e Nickelodeon Kids ‘Choice Awards. Foi escolhida entre a revista The 50 Most Beautiful People by People in Español nos anos 2007,4 2010,5 20116 e 2016.7 Em 2017 foi a terceira celebridade mais mencionada no México através do Twitter, sendo a única mulher entre as dez primeiras

MaisPB – Como surgiu a ideia de escrever “Amigos com Derechos”?

Dulce Maria – Essa música eu escrevi há cerca de sete ou oito anos, com uma grande compositora chamada Marcela de la Garza. É uma música que fala de uma situação bem típica que acho que todos nós já passamos, tanto homens como mulheres. Aquela incerteza de quando você tem uma pessoa que vem e às vezes você acha que vai dar certo, mas que acaba não dando. E que num dia ele te procura, e no outro não. E que quando ele te procura, você sempre cai. Essa música é pra falar sobre isso.

MaisPB – Tem o plano B na canção?

Dulce Maria – Não quero ser a sobra e não, eu não estarei mais lá, não estarei lá quando quiseres. Isso é algo que sempre pensei que acontecesse a todos nós e eu me lembro que compondo a música uma mensagem veio a mim. Eu disse não. Porque ele só quer que eu caia de novo nesse enredo. E foi assim que “Amigos com derechos” nasceu. Isso foi há 8 anos, era uma música normal, mas quando em 2018 eu me juntei com o meu produtor, Stefano Viene, a gente logo teve essa ideia de colocar um pouco de pop e folk, e é por isso que tá aí essa musiquinha que eu gosto muito e tenho me divertido muito, mas ainda com instrumentos diferentes dos que eu estava acostumada a usar.

MaisPB -Você acabou de lançar o remix com Naty Botero, e agora está lançando “Amigos com derechos”, logo após criar um grupo de telegrama para ficar mais próxima de seus fãs. Quais são as expectativas para o lançamento da música e por que criou o grupo?

Dulce Maria – No caso do remix da Naty Botero, a verdade é que ela participou comigo tempos atrás quando eu a convidei, no meu álbum Sin Fronteras, cantando “ Shots de amor”. Agora ela está me convidando a cantar para comemorar 15 anos dessa música que aqui no México e em muitas partes da América Latina se tornou muito famosa. Eu gosto muito e essa é uma música que me lembra muito quando eu ia dançar e quando eu ia para os clubes e para as festas. É por isso que eu aceitei com muito entusiasmo.

MaisPB – E sobre o Grupo Amigos com Derechos?
Dulce Maria – Bem, sobre “Amigos com derechos” acho importante dizer que acho que é o último single a ser lançado antes do álbum completo. Por outro lado, as redes sociais são uma vitrine muito importante para poder divulgar o nosso trabalho e compartilhar momentos da vida, fotos, promover coisas e estar em contato com os outros. Mas decidi abrir o Telegram porque dessa forma consigo ter uma conexão mais íntima. Com uma comunicação muito mais privada, muito mais pessoal, onde espero que as pessoas mais próximas de mim possam enviar mensagens mais privadas, mas não que eu não use o Instagram às vezes também. Já que nele você pode colocar coisas longas e também é possível divulgar o trabalho. Mas acho que criei o grupo exatamente por acreditar que dessa forma estaria mais próxima das pessoas que me acompanham.

MaisPB – Sabemos que o projeto “Origen” já está pronto há alguns meses. Houve alguma mudança depois da pandemia e depois que você ficou grávida?

Dulce Maria – Na realidade não. O projeto “Origen” ainda continua igual. Na verdade, eu fiz uma pesquisa no meu telegram e no meu Instagram porque tenho vontade de criar um projeto “Origen” Deluxe, que seja maior. Tenho vontade de fazer umas fotos novas, algumas músicas e entregar algo maior. Mas eu percebi que o produto “Origen” já está pronto como eu pensei inicialmente. Então eu decidi que vou lançar esse álbum agora e mais pra frente faço uma versão de luxe, um pouco diferente e provavelmente com mais algumas músicas.

MaisPB – Qual é sua relação com a moda e como é o processo de escolha dos seus looks?

Dulce Maria – Bem, na verdade eu tento me assessorar com algum stylist ou algo assim para gravar os meus vídeos e produzir minhas fotos. Mas, o tema de “Origen” e principalmente as fotos que estamos tirando se inspiram não só na moda mas como também nas tradições e culturas sagradas de vários países latino americanos e da África, que é o berço da humanidade. E eu queria trazer esse conceito, mas sem olhar para isso apenas como moda. Mas como uma referência de que todos nós seres humanos viemos de uma origem e que temos a necessidade de nos expressarmos, de nos pintarmos e mostrar nossa história. Mas eu queria sair daquela ideia de plumas e rosto pintado e voltar exatamente nessa ideia de origem de quem somos. Escutem a canção “Origen”, porque ela resume bem a estética do meu disco.

MaisPB – Este ano faz 10 anos desde que você lançou seu primeiro álbum da carreira sozinha, com “estranjera”. Como você vê a Dulce Maria de estranjera para a Dulce de “Origens”?
Dulce Maria – Estranjera é o início desse sonho, era o começo de começar uma trajetória solo. Estava começando a ver onde poderia chegar, de me conhecer.