João Pessoa, 16 de maio de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Titular em Letras Clássicas, professor de Língua Latina, Literatura Latina e Literatura Grega da UFPB. Escritor, é membro da Academia Paraibana de Letras. E-mail: marquesjr45@hotmail.com

Toda palavra me atrai

Comentários:
publicado em 16/05/2021 às 08h28
atualizado em 16/05/2021 às 05h30
A- A+

“Nada me atrai mais do que a palavra/ e toda palavra me trai;/nada me ocupa mais que a palavra/ e toda palavra me culpa.” É o que diz o meu amigo, o poeta José Antônio Assunção, em um dos seus poemas. Essa luta do poeta na sua busca da palavra, constatando a sua intangibilidade é própria da criação artística. E como o poeta, digo que sou fascinado pelas palavras e pelas construções que elas possibilitam. Não há elegância na língua portuguesa maior do que a construção camoniana de mais-que-perfeito com mais-que-perfeito, a exemplo de “mais amara se não fora…”.
Gosto das palavras “insinuar” e “seduzir”, e dos seus compostos. Em “insinuar” parece que já vemos nas curvaturas dos “n’s” e do “s” o seu sentido, lembrando a genial estrofe 14 de Augusto dos Anjos (foto), em “Monólogo de uma Sombra”, quando a rima se faz de uma maneira nova, criando a plasticidade que a cena exige:

“É uma trágica festa emocionante!
A bacteriologia inventariante
Toma conta do corpo que apodrece…
E até os membros da família engulham,
Vendo as larvas malignas que se embrulham
No cadáver malsão, fazendo um s.

Por outro lado, a sibilar da fricativa /s/ parece facilitar que a palavra escape com mais rapidez. Mas, afinal, qual a etimologia de “insinuar”, para melhor compreendermos o seu sentido? “Insinuar” é composto da preposição latina “in”, que rege um acusativo de direção, com o sentido de ir para lá ficar, determinando o fim de um movimento. O substantivo masculino que compõe a palavra é sinus, sinus, da quarta declinação, com uma possível variação para um vocábulo arcaico neutro, sinum, sini, ou masculino sinus, sini, ambos da segunda declinação. Em qualquer um dos casos, o sentido da palavra nos remete para o de seio, concavidade, algo vazio, curva e, num sentido translato, golfo e baía. O que nos atrai na palavra é o seu sentido primeiro ligado a curva e a palavra seio. O leitor avisado já terá feito as conexões e entendido que “sinusite” é a inflamação dos seios da face, as concavidades paranasais, cujas mucosas, ao se inflamarem, nos causam tanto problema. “Insinuar”, portanto, significa ir em direção a uma concavidade, a um vazio, para lá ficar.
Outra palavra fascinante é “seduzir”, composta de uma preposição latina “sē”, com o sentido de separação, divisão, e da raiz de dux, ducis, o que conduz estando à frente, o líder, como “Il Duce”, usado pelo ditador Mussolini. Seduzir (sedūco, seducĕre), em latim, é derivado de “dūco, ducĕre”, verbo da terceira conjugação latina. Seduzir, portanto, é separar para conduzir. Assim como segregar é separar da grei, do rebanho, o sedutor tem as rédeas da condução, a seu bel-prazer, daquele que ele separou dos demais.
O mais fascinante é quando juntamos as duas palavras. O sedutor insinua algo, que se aloja numa concavidade do seduzido, ali permanecendo, e, dessa maneira, consegue separá-lo dos demais. Para haver sedução há que existir insinuação. É assim que agem as ideologias, não importando a sua origem – política, religiosa ou filosófica. Depois de insinuada para dentro do vazio cerebral, qualquer um é presa fácil de ser conduzido pelo sedutor.

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Clientes aproveitam descontos da Black Friday em João Pessoa

Promoções - 26/11/2021

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas