João Pessoa, 25 de março de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Professora Emérita da UFPB e membro da Academia Feminina de Letras e Artes da Paraíba (AFLAP]. E-mail: reginabotto@gmail.com

Seguem as gerações

Comentários:
publicado em 25/03/2021 às 07h25
A- A+

As gerações compõem-se de pessoas nascidas num mesmo contexto histórico, com faixas etárias diferenciadas, sofrendo as mesmas influências, ao mesmo tempo e lugar em que participam da evolução da sociedade.
Os conflitos entre elas são transparentes nas ideias. As novas se confrontam com as mais antigas, nos comportamentos, valores e interesses diversos.
O conhecimento, nesse contexto, incorpora novas interpretações e criatividades e promove a releitura espacial e temporal sobre um objeto, um acontecimento social… Para entender as gerações temos que conhecer a cultura e a história de cada uma. É a dinâmica do conhecimento que acontece na relação dialética com a realidade construída. Esta, renova-se e transforma-se a cada dia.
O que será das futuras gerações em meio as transformações mundiais causadas pela pandemia? Vejo na mídia, que muitos jovens estão perdendo suas vidas para a Covid 19. Vejo que milhares de jovens em festas clandestinas espalhadas pelo país. Isso é preocupante. Os jovens estão aí para nos representar no amanhã.
A convivência é chave no relacionamento entre gerações. Numa casa vivem, às vezes, até quatro gerações. Constata-se a riqueza desse relacionamento na dimensão humana do mútuo aprendizado quando as discussões acontecem.
É interessante perceber que cada uma tem algo a ensinar e aprender. Todas se beneficiam. Possuem saberes diferenciados ao interpretar os modos de pensar, de sentir e de agir. Os mais jovens desafiam instituições, a família e as convenções. No mundo das ideias, como diz Platão, encontram-se novas formas de ver o mundo e as pessoas. Mas é precisar frear a geração que está nas ruas, nos bares, nas baladas, porque o vírus está solto.
As gerações passadas viviam mais unidas em família, mas as relações eram verticalizadas. Vive-se a época da cyber-cultura, das revoluções: tecnológica, eletrônica e da comunicação. Isso já é um avanço.
As pessoas estão, ao mesmo tempo, próximas e distantes umas das outras, próximas entre famílias e distantes no mundo delas. A interatividade independe do tempo e lugar. Ela é planetária e impactante sobre o ser humano e as áreas do conhecimento. As gerações interagem através da internet utilizando ferramentas como o facebook, o twitter, o e-mail, o whatsapp, entre outros. Muitos passam o dia nas redes, mas deveriam espaços para a leitura.
No mundo pós-moderno onde não há mais segurança na razão científica e tendo em vista a visão de transformar o mundo, os pais e professores haverão de rever suas narrativas tradicionais e estarem abertos a repensarem a compreensão que temos sobre nós mesmos como seres humanos, o tipo de sociedade e homem que queremos formar.
A mudança de comportamento e mentalidade sobre as coisas já começou faz tempo, nesse espaço em que estamos isolados por conta da pandemia que tem interferido e muito na realidade em que nos situamos.
Deus salve as famílias e as novas gerações que seguem…

* Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Portal MaisPB

MaisTV

Hora H: no cardápio das alianças de 2022, a salada das incoerências

EDITORIAL - 28/01/2022

Opinião

Paraíba

Brasil

Fama

mais lidas