João Pessoa, 02 de março de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
"CUIDAR DE QUEM CUIDA"

“Profissional da saúde não é herói, é gente”, alerta médica

Comentários:
publicado em 02/03/2021 às 19h53
atualizado em 02/03/2021 às 20h17
A- A+

A neurologista do Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa, Isabela Araújo Mota, pediu, nesta terça-feira (2) mais atenção à saúde dos profissionais de saúde. Ela é autora de estudo que mostra a luta contra à Covid-19 afetando diretamente à categoria quanto à alimentação, atividades físicas e sono. “Precisamos cuidar de quem cuida da pandemia”, apelou.

Em entrevista ao programa Hora H, apresentado pelos jornalistas  Heron Cid e Wallison Bezerra, na Rede Mais Rádio, Mota disse que a sociedade precisa mudar o olhar romântico: os profissionais são “seres humanos” em não como “super-heróis”, como são apresentados.

Cuidar de quem cuida

“(Os médicos, enfermeiros e auxiliares) são feitos de carne e de osso. Estão sofrendo e estão doentes. Eles precisam ser olhados com mais empatia pela população e pelos gestores públicos”, apelou Isabela.

“A gente precisa cuidar de quem cuida da pandemia. Porque se esses profissionais não forem bem cuidados, como será a consequência disso tudo. Não são super-heróis. São seres humanos que precisam ser cuidados e olhados”.

Dados do estudo – Dos 710 profissionais entrevistados, 25,8% tiveram dificuldade de iniciar o sono; 29,6% relataram dificuldades de manter o sono; e 32,5% de acordar cedo (despertar precoce pela manhã). Outros 25,8% afirmaram que usam algum tipo de medicamento para insônia (e 60,3% desses se automedicavam).

Além disso, 81,8% dos participantes da pesquisa apontaram mudanças na prática de atividades físicas, com a maioria dos profissionais de saúde parando de se exercitar (53,9%).

A ocorrência de mudanças na dieta alimentar também foi referida por 78,5% dos participantes do estudo, que reportaram especialmente o incremento na ingestão de carboidratos (60,5%) e 27% dos indivíduos relataram aumento no consumo de bebidas alcóolicas, especialmente vinho (14,2%) e cerveja (11,2%).

Ouça a entrevista:

MaisPB

 

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!