João Pessoa, 16 de janeiro de 2021 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
OPINIÃO

Ônibus ignoram protocolo, colocam usuário de JP em risco e nada acontece

Comentários:
publicado em 16/01/2021 às 12h26
atualizado em 17/01/2021 às 08h08
A- A+

Toda a atividade produtiva precisou apresentar um protocolo para retomada das atividades. O setor de transporte público não foi diferente. A diferença é que nos ônibus os protocolos básicos recomendados pelas autoridades são solenemente ignorados.

Nos horários de pico, é possível ver em João Pessoa ônibus andam lotados, com passageiros comprimidos e sem o mínimo de distanciamento, respirando o mesmo ar.

Não há teto máximo de ocupantes, como em qualquer estabelecimento comercial, para garantir a mínima segurança. Termômetro para aferição de temperatura nem pensar.

Nos pontos de integração, funcionários que no auge da pandemia ofereciam álcool 70% aos passageiros antes da subida já não são mais vistos.

O serviço é diferenciado e mais complexo, como se sabe, mas a covid-19 é a mesma em todo lugar. Por que nos ônibus o rigor, o respeito às normas e a proteção a usuários e trabalhadores são ignorados solenemente sem qualquer fiscalização rigorosa?

Do jeito que estão rodando, sob o olhar permissivo do poder público e o silêncio conivente das autoridades, os ônibus são aglomerações ambulantes e com óbvio potencial de centros de contaminação em massa.

Mas, a pergunta é: por que esses riscos não sensibilizam e nem provocam questionamentos dos órgãos de fiscalização?

É pela fragilidade do usuário, gente de baixa renda, ou pela força dos empresários, tubarões com forte influência política?

O debate foi levantado pelo jornalista Heron Cid, na edição de ontem do Programa Hora H, veiculado de segunda à sexta-feira, das 18h às 19h, em rede estadual de rádio (RedeMais), encabeçada pela POP FM 89,3, de João Pessoa.

Confira:

MaisPB

error: Alerta: Conteúdo Protegido !!