João Pessoa, 24 de abril de 2019 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

Ser ou estar empresário

Comentários:
publicado em 24/04/2019 às 13h42

Perguntei a um amigo, ex-colega do curso técnico de construção de estradas da antiga ETFPb (curso que fizemos entre os anos 1963/1966), se ele continuava sendo empresário.Prontamente respondeu: – “Ainda estou”. Insisti: quer dizer que você continua sendo! Ele reitera: “Ainda estou”. Aí, eu próprio provoco, questionando-o, o porquê ele se colocar como “estando” empresário e não “sendo” empresário.

Esse amigo ponderou que, naqueles nossos tempos de juventude ele, mesmo diretamente não sendo empresário, e sim seu pai, sentia-se como tal… sentia-se também sendo empresário. “Eram outros tempos” – acrescentou.

Esse amigo, citando muitos números relacionados à economia, quis demonstrar que anteriormente a missão ou tarefa de empresário era bem menos desafiante do que nos tempos de agora. E até destacou que naqueles tempos o empresário era, via de regra, reverenciado não apenas como pessoa de uma vida exitosa, mas especialmente como proporcionadora de empregos e renda para muitos.

“Agora, Mário, o empresário é bem mais visto só como perseguidor de lucros, como que a atividade econômica não dependesse de lucros para se sustentar e principalmente para crescer e novos empregos gerar” – disse esse amigo. E continuou: “Só se o vê como o ´vida boa´, sem nunca se observar a dedicação e o comprometimento de seu tempo para com o trabalho”. E, apressando-se para atender a um compromisso, despediu-se chamando a atenção: – “Tá acompanhando esse desmonte ou falência da Avianca, só em um dia ficando sem 18 aviões?!… Poucos são os que veem e avaliam os riscos empresariais! Por isto nunca digo que sou, e, sim, que estou como empresário”.

Realmente,nos tempos de hoje, especialmente aqui no Brasil, não tem sido fácil nem mesmo “estar” empresário!

Leia Também