João Pessoa, 03 de março de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Transposição: a Paraíba se apequena até quando precisa ser grande

Comentários:
publicado em 03/03/2017 às 16h24
atualizado em 03/03/2017 às 16h46

Que o São Francisco traga, além de água, correntes de bom senso à política paraibana

Parahyba em tupi guarani significa “rio ruim” ou rio impróprio para a navegação. O sentido da palavra não deixa de provocar inusitada excitação diante da proximidade da inauguração da Transposição do imprescindível Rio São Francisco para o nosso Estado.

Um debate estéril tanto quanto um rio que nada dá. Grupos políticos trocando farpas, provocações pela besta e inútil discussão de paternidades e até parentescos da obra. Como se isso mudasse alguma coisa.

Óbvio que Lula da Silva tem o mérito da decisão política de bancar o projeto, que Dilma tem méritos pela continuidade, apesar dos atrasos, e Temer sua parcela de contribuição ao tocar, acelerar e finalizar a Transposição.

Mas por aqui, ao invés de estarmos celebrando esse momento e comemorando o empenho de todos, sem distinção, da classe política e autoridades governamentais, perdemos tempo, saliva e inteligência digladiando e saindo de nenhum lugar para lugar algum.

Ricardo fustiga Cássio, só para manter perene a mesma cantilena que se repete desde 2014. Cássio retroalimenta ao revidar as estocadas. Satélites dos dois ajudam a dar mais holofotes ao palco dessa ópera de péssimo gosto. E, infelizmente, nessas horas a gente percebe que não é a geografia que faz a Paraíba pequena.

Resgate da história

Marcondes Gadelha. Eis o nome lembrado, com senso de justiça, pelo presidente estadual do PSDB, Ruy Carneiro (foto), como um paraibano a merecer créditos e homenagens pela histórica persistência de como defendeu, ardorosa e apaixonadamente, a Transposição, quando poucos falavam no tema ou o estigmatizavam apenas como mais um embuste da “indústria da seca”.

BRASAS

*Casa nova – Nem demorou um mês do desligamento e o digno e aplicado Cristiano Teixeira, ex-editor do Portal MaisPB, já é o mais novo editor do Wscom, do desbravador Walter Santos.

*Unidos da Napoleão Laureano – Vereadores das duas bancadas se reuniram nesta sexta do Prédio da Administração da Câmara de João Pessoa para soluções de demandas comuns.

*Sossega leão – Marcos Vinicius (PSDB), presidente da Câmara da Capital, habilidoso como poucos, ouve e amansa um a um dos colegas.

*Queixas – Não são poucas as insatisfações de vereadores da ala governista de João Pessoa com o represamento de pleitos das suas respectivas bases.

*Festa – Comitiva de deputados paraibanos já está em Fortaleza (CE) para a cerimônia de casamento do deputado federal Wilson Filho (PTB), hoje à noite.

FALA CANDINHA!

Volume morto

Da sábia Dona Candinha!

– Transposição vai encher a Paraíba de água, mas o debate vai secar a boca dos políticos.

PONTO DE INTERROGAÇÃO

Pra quê separar, se a gente pode unir?

PINGO QUENTE

“O resto é discurso insosso”. Do governador Ricardo Coutinho (foto), em Monteiro, criticando adversários sobre o que chama de “uso político” da Transposição.

Leia Também