João Pessoa, 31 de Outubro de 2014

MaisPB no Twitter MaisPB no Orkut

Paraíba

João Pessoa, 09/01/2012 - 09h40

Wellington Farias

De quem é a culpa?

Nascido em Serraria (PB), Wellington Farias iniciou a carreira jornalística na Rádio Tabajara e Jornal a União. Já trabalhou nos principais veículos de comunicação do Estado, incluindo jornal, rádio, TV e portais. É criador do primeiro site de notícias da Paraíba, o Portal de Notícias.

 |   | 

O estrago está causado e há um problema social a mais, decorrente da dispensa sumária de mais 16 mil prestadores de serviço ao Estado. Além, claro, da primeira leva de 15 mil, no início do atual governo. Muito já se discutiu a respeito e o prejuízo causado a estes servidores é imensurável.

Uma coisa, porém, soa curiosa: tanto os que estão chiando porque foram dispensados, como também os críticos, sobretudo os “prestadores de serviços”, não se queixam dos verdadeiros culpados pelo problema social. Quem seriam eles? Vários: todos os que governaram o Estado depois da Constituição de 1988 para cá, quando ficou definitivamente proibido o ingresso no serviço público sem concurso.

Estes senhores, com a responsabilidade que tinham, não hesitaram em infringir a Constituição empanturrando a folha de pagamento de parentes, amigos e afilhados políticos e cabos eleitorais.

Não são todos que ingressaram por estes “critérios”, claro, mas a enorme maioria.

Sejamos sinceros: se você está perguntando quem vai pagar o seu prejuízo, de haver prestado serviço ao Estado por tanto tempo e depois ser dispensado, eu lhe devolvo uma perguntinha chata: e quem vai pagar o prejuízo de milhares de pessoas que estudaram, queimaram pestana, fizeram vestibular, concluíram cursos e não puderam entrar no serviço público porque você, totalmente irregular, tomou o lugar dele? E aqueles que estão concursados e nunca foram chamados porque você também está no lugar deles, quem vai bancar esta conta? Por que é que o governador que lhe botou nessa fria pensando só no seu voto e sabendo que, mais cedo ou mais tarde, você seria degolado pela lei, não tem culpa de nada?

Nessa discussão, em nenhum momento se pensa na moralidade do serviço público. Se isto não tiver um fim, onde irá parar? E até quando o critério continuará sendo o privilégio a cabos eleitorais e o nepotismo em detrimento do mérito, dos que estudam, dos que comprovam competência para assumir tais funções? Por que diabos será que no serviço público federal, da promulgação da Constituição Cidadã para cá, deixou de haver essa farra de prestadores de serviço, mas no estadual e municipal o critério de contratação de funcionários é exatamente o oposto à Constituição?

Ouvi muitas reclamações de pessoas que foram dispensadas. Quase todas postas nas funções por um político, curiosamente às vésperas de eleições. Como vi várias outras, que moram ao lado, embora muito bem preparadas, concursadas, mas que, sem um “peixada política” não conseguiram ingressar no serviço público.

Está gerado um problema social, sim, e é lamentável que milhares de pessoas este mês não tenham o dinheiro pra fazer a feira. Mas um dia isto haveria de acontecer. E termino acontecendo.


Eleição na Capital I - O prefeito de João Pessoa, Luciano Agra (PSB), tem uma vantagem sobre os pré-candidatos à sua sucessão: está com a máquina administrativa, toca um projeto que o pessoense apoia e tem pouca rejeição, apesar do seu elo com o governador Ricardo Coutinho, ora desgastado.

Para melhorar, Agra precisa convencer o eleitorado de que algumas mazelas verificadas em sua gestão foram heranças. Como fazê-lo? Eis a questão...

Eleição na Capital II - O senador Cícero Lucena (PSDB), apesar da acusação de envolvimento com a Confraria, deixou marcas muito positivas da sua primeira gestão. Aliás, foi um dos maiores prefeitos que João Pessoa teve para a área de Educação.

Na área de Saúde, também foi bom: os medicamentos de uso contínuo eram entregues na porta de casa. Sem falar no Lixão, que ele baniu do cenário da cidade.

Eleição na Capital III - Com quais fichas o ex-governador José Maranhão (PMDB) poderia entrar nesse jogo? As de ser um homem honesto, experiente em gestão pública (foi governador por três vezes) e conhecido por realizar obras?

Eleição em Campina - Muita expectativa acerca do xadrez que se monta para as eleições de Campina Grande. O prefeito Veneziano promete para esta segunda-feira, no mais tardar até a sexta, anunciar quem será o candidato PMDB a sua própria sucessão.

Cinco nomes estão na disputa: Alex Azevedo, Matuselá Agra, José Luiz Júnior, Tatiana Medeiros e Walter Brito Neto.

Tatiana Medeiros será a escolhida.

Farra - É incrível como os Poderes são coniventes com a farra no serviço público. Finais de semana as praias ficam lotadas de ônibus escolares que transportam turistas do interior para o banho de mar na Capital. E os órgãos de fiscalização fazem que não estão vendo.

Sempre que volto de Serraria, nos finais de semana, vejo vários deles transportando gente de biquíni, short. Alguns usuários até embriagados. E a gente pagando a conta.

Roubalheira interior - A roubalheira de prefeitos do interior também acontece às claras, mas os órgãos de fiscalização não veem. Famílias chegam às prefeituras puxando uma cachorra. No primeiro ano de mandato começa o desfiles de carros novos. E as folhas extras de pagamento apinhadas de parentes, afilhados políticos e cabos eleitorais?!

Detalhe: há prefeitos muito honestos e zelosos com a coisa pública, embora sejam minoria.

Denúncias - Na pista do Disque Denúncia, a Polícia Civil da Paraíba prendeu mais de 100 pessoas, apreendeu 60 quilos de droga (entre cocaína e maconha), 22 armas de fogo (pistolas, revólveres e espingardas) e dezenas de caça-níqueis.

O serviço atende pelo número 197 e registrou uma quantidade recorde de denúncias em 2011, com um aumento de quase 300% em relação ao ano anterior. Foram homologados 3.040 registros, contra 1.059, em 2010.

As 3.040 denúncias partiram de 91 municípios. As cidades que tiveram maior quantidade de registros: João Pessoa (57%), Campina Grande (17%), Bayeux (5%), Santa Rita (4,5%) e Cabedelo (4%). A Região Metropolitana de João Pessoa concentrou 73% das denúncias, enquanto a região polarizada por Campina Grande aparece com 21%.

Evento - João Pessoa sedia nesta segunda-feira um importante evento: o III Fórum Sobre Infância, Juventude e Vulnerabilidade. Quem promove é o Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, que integra a rede hospitalar do Estado.

"O objetivo é reunir as pessoas envolvidas na proteção e promoção dos direitos das crianças e adolescentes, vislumbrando uma ação intersetorial dialogada e acolhedora”, explicou o gerente de Ações Estratégicas do Juliano Moreira, Madson Souza.

O fórum começa as 8h30, no auditório da Juliano Moreira.  

Comentários
Nome
Email
Comentário

Caracteres restantes:
Espaço para interação entre os usuários e o MaisPB. É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.

Não somos responsáveis pelo material divulgado pelos usuários.

09/jan às 17h20 - 

opinião do cientista dr. phoda (seriedadehotmail.com):

» MUITO BOM SEUS COMENTÁRIOS, ALÉM DE SEREM HONESTOS E ATUAIS, BEM DIFERENTE DO BAJULADOR HERON MATUTO CID, ESSE SIM MUDOU EM FAVOR DO GOVERNO.

09/jan às 14h20 - 

Pedro Gomes (arionpedroyahoo.com.br):

» Sabedoria em suas palavras, entram pela janela e depois acham que o lugar são deles de direito. Ledo engano, o ingresso no servico público é via concurso, não através de peixada. Belo artigo, expõe a chaga que é prestador de serviço = voto de curral.

09/jan às 12h32 - 

Pedro Ornilo (org.filhohotmail.com):

» Nobre jornalis a Constituição foi promulgada em outubro de 1988, e, diz que apartir da sua promulgação so se pode entrar no serviço públeci atraves de concurso, o que eu evidentemente concordo. Nobre jornalista - e com fica os pro-tempores quementraram antes da promulgação da constituição? A Constituição pode retroagir para prejudicar. o estado não perdeu o prazo para reclamar?