João Pessoa, 24 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Bactéria

Comentários:
publicado em 10/03/2011 às 08h30

O governador Ricardo Coutinho fez até algumas entrevistas para “seleção” dos seus auxiliares. O interrogatório não serviu, entretanto, para diagnosticar a predisposição de muitos escolhidos a contrair doença com potencial de lhes tirar a saúde e a permanência por longo tempo no primeiro time do Governo.

O vírus pegou ontem o secretário de Saúde, Mário Toscano, o segundo a abandonar o staff da gestão socialista. Oficialmente, utilizou a mesma receita de Fernando Abath, o primeiro a precisar do tratamento da exoneração.

Mário Toscano agiu com elegância, preferiu adoecer a ter que revelar o verdadeiro motivo de sua decisão. A patologia que vitimou o médico foi a ausência de autonomia e o excesso de interferência de terceiros. Publicamente, ele não assumirá, mas esse é o motivo admitido pelos mais íntimos do ex-secretário.

Em fevereiro, Mário procurou o governador a quem comunicou insatisfação com a constrangedora situação. Recebeu a promessa de solução. A renúncia do secretário indica que o incômodo permaneceu e Toscano decidiu ele mesmo resolver a parada. Pediu pra sair, antes que sua imagem ficasse comprometida.

Intrigante estatística: em apenas três meses, dois ocupantes das pastas mais importantes jogaram a toalha. Apesar do ajuste na máquina ser atividade normal no âmbito do Executivo, as baixas precoces de notáveis secretários, motivadas por alegações desconfiáveis, pega muito mal. Daqui a pouco pode virar epidemia.

Idas e vindas – Conforme a coluna antecipou, a vereadora pessoense Eliza Virgínia deve mesmo ceder ao convite de Marcondes Gadelha, que ofertou a presidência municipal do PSC.

Não vai arriscar – O retiro de carnaval serviu para Eliza refletir e concluir que o PSDB rachado entre ciceristas e cassistas não é a melhor opção. “Já passei muitos traumas no PPS”.

Carnaval, o gasto público e o repique do leitor – Do leitor Everardo Magalhães (everardomagalhaesgmail.com) sobre os gastos públicos com o carnaval, tema da coluna de terça. “A própria sociedade, que poderia se rebelar contra essas maledicências com o dinheiro público, se comporta de maneira associada, como sendo cúmplice desse tipo de assalto que não precisa usar dinamite”.

Dinheiro para o Folia de Rua – A leitora Josenete Dantas (josenetedantas@gmail.com) entra na discussão. “Acho desperdício R$ 200mil distribuídos de mão beijada com blocos de carnaval. Será que a Prefeitura está nadando em dinheiro e que João Pessoa é um paraíso”, indaga.

Desabafo e revolta de um turista – A mulher do turista Ernanny Mello (ernanny@uol.com.br) foi assaltada anteontem, na praia, teve pertences levados e o pescoço ferido pelo marginal. O crime foi registrado na 10ª Delegacia, onde, segundo ele, os policiais reclamaram dos baixos salários.

Paradoxos – “Enquanto isso, ex-governadores recebem aposentadoria vitalícias. É ultrajante. Espero que o atual governador deixe de pagar até a decisão do STF tais benefícios’, pontua.

É peso – O deputado Domiciano Cabral (DEM) achou normal a saída de Mário Toscano. “Não é todo mundo que agüenta uma secretaria de Saúde. O sujeito sacrifica a própria vida”.

Check-up – Pensando bem, os próximos auxiliares do Governo deveriam passar por uma bateria de exames para evitar a síndrome aguda da pressão pós nomeação no Diário Oficial.

Ainda o Aeroclube I – Sugestão de Mércia Lins (m.eduardabf@bol.com.br). “Prefeito una-se aos sócios do Aeroclube e em parceria construa em todo o entorno da área pistas de caminhada…”

Ainda o Aeroclube II – “… Construa o Teatro Municipal, pois há espaço para isso, e até mesmo refloreste parte da área, onde isso seja possível”. Não há mais pista para pousar acordo, cara Mércia.

Domando – O governador terá audiência hoje, no Palácio da Redenção, com os vereadores aliados de Campina Grande. Antes do carnaval, o grupo reclamou de falta de gestos e atenção.

Em casa – Animado pela votação obtida em Itaporanga para deputado estadual, o ex-superintendente do Dnit, Expedito Leite, já admite candidatura a prefeito da cidade.

Mais uma da série – Os girassóis não esquecem as rosas vermelhas. Luciano Agra acusou ontem o então governador Maranhão de pedir a exclusão de João Pessoas dos programas federais.

Fibrilação – Após o carnaval, deputado governista prepara pesado discurso na Assembléia Legislativa contra desmandos de poderoso e blindado grupo empresarial da Capital.

Continua na briga – O presidente do PMDB, Antônio Souza, ignorou o veto do Planalto, noticiado pela imprensa nacional, ao nome de Maranhão na Caixa. “Isso não passa de especulação”.

PINGO QUENTE“Parece que ser secretário do mago faz mal à saúde”. Ironia do deputado federal Benjamim Maranhão (PMDB) sobre o segundo ‘paciente’ a deixar o Governo Ricardo Coutinho.

Leia Também