João Pessoa, 19 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Questão de prioridade

Comentários:
publicado em 16/04/2011 às 10h05

Se eu fosse vereador de uma das cidades da Paraíba, onde os filhos deste chão são obrigados a assistir aula em sala improvisada na casa dos professores, eu não defenderia a retirada de um real do erário para bancar “farra” coletiva.

Se eu fosse prefeito nesta terra, onde a agricultura foi completamente desprezada e o homem do campo precisa migrar e mendigar na cidade grande para sustentar a prole, eu teria vergonha de elaborar programação festiva para anestesiar o povo.

Se eu fosse deputado neste Estado, onde a fome ainda subnutre os filhos da pobreza e envergonha quem tem feijão todo dia na mesa, eu me sentiria intimamente encabulando de pedir na tribuna verbas para fazer a folia de carnaval.

Se eu fosse deputado federal e representasse esse Estado em Brasília, antes de pleitear recursos para as festas dos prefeitos amigos, eu gastaria energia com discursos pedindo a viabilização de projetos de impacto econômico e social.

Se eu fosse um dos três senadores dessa Paraíba, botaria pra fora do meu gabinete os prefeitos que viessem pedir meu empenho na liberação de recursos para shows, enquanto na terra destes falta remédio, saúde e atenção aos concidadãos.

Se eu fosse governador de um Estado paupérrimo, como é a Paraíba, não teria coragem de gastar um centavo do precioso orçamento com contratação de bandas musicais. Mas sei que, em se tratando da nossa Paraíba, viciada no “pão e circo”, eu não teria qualquer chance de reeleição. Por isso, nem arrisco. Continuo jornalista.

Cimento… – O governador Ricardo e o ex-governador Cássio foram pródigos na troca de elogios e afagos, ontem, durante a inauguração da fábrica de cimentos, em Pitimbu.

… E ferro – Ricardo Coutinho mandou primeiro: “Nossa aliança é colada com cimento”. O ex-governador Cássio Cunha Lima emendou em seguida: “Com cimento e ferro”

Passageira, mas emblemática – Tudo bem que eles foram beneficiados pelas as ausências dos caciques, mas pelo menos temporariamente os senadores Wilson Santiago e Vital Filho vão experimentar o sabor do prestígio em escala nacional. Santiago fatura os holofotes da presidência do Senado e Vitalzinho ganha corpo na rápida passagem pela liderança do PMDB.

Tomando gosto – Em contato com a coluna, o deputado federal Wilsinho Filho (PMDB) mostrou entusiasmo por ter fechado a semana como único representante do Congresso no Conselho Nacional da Juventude. Pretende pautar o combate ao crack no país.

Caminhos para os acertos – Ao comentar os números da aprovação do Governo, o governador Ricardo Coutinho disse que terá tranqüilidade para avaliar os erros da gestão independentemente de pesquisa. “Mas fico feliz porque o povo sinalizou pelo apoio às nossas medidas”.

Infidelidade legalizada – O deputado federal Damião Feliciano (PDT), que já foi do PTB e PL, defende uma janela na reforma política para permitir o troca-troca um ano antes da eleição.

Contramão – “Temos que fazer uma reforma política que atenda as necessidades de todos os parlamentares”, diz Damião, contra a extinção da espécie dos “vira-casacas”.

Homem de fé – Depois de costurar o princípio da união da bancada, agora o deputado Ruy Carneiro se escala para estabelecer um pacto ainda mais melindroso: o de Cícero e Cássio.

O retorno – E a moda dos pactos e repactuações vai pegando. Agora é Guilherme Almeida (PSC) quem prega reaproximação dos Vital com os Ribeiros. “Nada impede o retorno”.

Disputa – O mundo publicitário começa a se agitar e o frisson toma conta dos donos de agências. O edital da licitação da verba de comunicação do Governo já está no forno.

Critério – O secretário Nonato Bandeira rompeu com a hipocrisia habitual dos gestores da pasta. “A agência deveria ser de confiança do gestor, mas temos que cumprir a lei”.

Lembranças – Vários peemedebistas de guerra se reencontram anteontem durante jantar de aniversário de 36 anos do deputado Gervasinho Maia (PMDB). Bateu uma saudade daquelas…

No meio – Nem pendendo para Ricardo, nem se reaproximando de Cássio. Peemedebistas otimistas vêem no partido tamanho para decidir as próximas eleições.

Atestado – Três pólipos na vesícula e uma hérnia de disco vão tirar o deputado Trócolli Júnior (PMDB) da Assembléia. Ele se submeterá a cirurgia simples em São Paulo.

Outra pauta – O deputado Benjamim Maranhão deixará de lado as queixas do vereador Mangueira para focar em assunto um tiquinho mais sério: relatório das contas do Governo Lula.

PINGO QUENTE – “Tá comendo amarrado meu bichinho”. Comentário de eleitora ao atestar o excesso de peso do ídolo Cássio Cunha Lima.

 

Leia Também