João Pessoa, 18 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Novos caminhos

Comentários:
publicado em 19/04/2011 às 07h55

A coluna de hoje acolhe texto de Lourdinha Luna (lourdinhaluna@uol.com.br). Preocupada com a mão de obra ociosa na Paraíba e a falta de oportunidades disponíveis para a juventude paraibana, a escritora questiona, mas ao final aponta caminhos.

“No último fim de semana fui ao Brejo e Curimatau Setentrional e o quadro não se modifica. As filas se formam na porta das Prefeituras à cata de emprego público. As divisões administrativas se retraem de dar trabalho a quem precisa”.

Ela se refere à proibição do Ministério Público às prefeituras de contratar sem concurso público. Lourdinha se ressente da ausência do mesmo rigor do MP com os gestores que deixam dívidas para os sucessores sem prover os recursos do pagamento.

Mas a grande preocupação da escritora não difere da maioria dos formadores de opinião preocupados com o futuro desta terra. “Qual o destino da juventude desesperançada? As drogas, como traficante ou usuário”, responde a própria indagação.

E manda sugestão para barrar a criminalidade: “Os políticos se esforçam para a criação de Escolas Superiores, quando o aconselhável seria disseminar, em todos os municípios, Escolas Profissionalizantes, para atrair a mocidade desocupada”.

Ao final, deixa uma reflexão. “Com o avanço da construção civil, que absorve a mão de obra especializada, fica difícil se conseguir um operário capacitado para um serviço qualquer. No entanto sobram ociosos e até os cemitérios abandonados sofrem constantes assaltos aos túmulos e às pessoas. Até quando essa situação perdurará”?

Confissões de Maranhão – Pelo o que revelou a uma fonte do Correio Debate (rádio), na última visita à Brasília, o governador José Maranhão não está muito entusiasmado com cargo no Governo Dilma.

Analisando o jogo – Maranhão só aceita jogar numa posição (cargo) que o aproxime dos assuntos da Paraíba. Apesar de até falar em aposentadoria, não parece decidido a pendurar as chuteiras.

A leitura de Aguinaldo Ribeiro – Maneiro e exímio enxadrista, Aguinaldo Ribeiro revelou à coluna que já não há mais qualquer entrave em uma eventual composição com o grupo Vital do Rêgo na sucessão de 2012. “Tudo foi passado a limpo ano passado. Não temos mais nenhum tipo de restrição para limitar aproximação na direção de uma candidatura futura”.

Mutirão das cirurgias – 52%. Esse é o tamanho da projeção de ampliação do número de cirurgias a serem realizadas na Paraíba a partir da assinatura ontem de convênio de cooperação entre o Governo e a Prefeitura de João Pessoa. Mais de 140 municípios serão beneficiados.

Apelo aos prefeitos – O governador Ricardo Coutinho conclamou os municípios com gestão plena de saúde a também se esforçarem pelo aumento das cirurgias eletivas. “É preciso transformar os poucos recursos em algo que possa reduzir o tempo de espera dos pacientes”.

Representado – Por problemas particulares, o secretário Waldson Souza não pôde comparecer à celebração do convênio entre Governo e Prefeitura. Mas Roseana Meira estava lá.

Meta – Assim que a Justiça autorizar, o Governo quer em 13 meses reconstruir Camará e viabilizar barragens auxiliares na região. A previsão é do secretário João Azevedo.

Faltou combinar – Pela manhã, o secretário Cláudio Lima descartou homofobia na morte de um travesti em Campina. À tarde, o governador repudiou o crime pelas características homofóbicas.

Distorção – Ao deputado federal Luiz Couto, o líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira, confessou ter sido mal interpretado quanto ao seu posicionamento sobre a legalização da maconha.

Emergência social – Contrário à liberação das drogas, Luiz Couto defende um esforço público em torno de políticas públicas de atendimento e tratamento dos usuários do devastador crack.

Alisa e bate – O ex-governador Cássio até admitiu que o senador Wilson Santiago (PMDB) ocupa espaço importante na presidência do Senado. “Mas é um mandato ilegítimo”.

Refazendo – Aliás, coincidência ou não, desde que a mídia começou a questionar a ausência de Cássio em eventos do Governo, o tucano refez a agenda e agora é presença assídua.

Sede de bater – Nem tomou posse, o suplente Carlos Batinga (PSC) já começou o aquecimento. Quer saber do Governo quais foram os critérios para as substituições dos contratados.

Sem proibição – Em nota, o secretário de Cultura, Chico César, disse que sua posição sobre o “forró de plástico” foi distorcida, porém reiterou. “Quem quiser tê-los que os pague”.

Tem males que… – Um problema na próstata, coisa ruim para o vereador João dos Santos (PR), em tese, não será tão ruim para o suplente Sales Dantas, que assumirá com a licença do titular.

PINGO QUENTE – “Passei seis anos ‘roendo’ para estar ao seu lado”. Do vereador Marcos Raia (PDT), ao blog de Carlos Magno, confessando que o desejo de aderir a Veneziano é ‘amor velho’.


Leia Também