João Pessoa, 23 de agosto de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de vice-presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

CG diz NÃO ao transporte clandestino

Comentários:
publicado em 28/04/2011 às 21h37
A- A+

Recentemente foi instituído o COMTRANSLEGAL É o Comitê em Defesa do Transporte Público Legal de Campina Grande, iniciativa do Sindicato dos Taxistas, Sindicato dos Mototaxistas, Sindicato dos Motoristas e Cobradores do Transporte Coletivo e Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da mesma cidade..

Todos os sindicatos acima mencionados obviamente são instituições que têm de ser legais, para poderem atuar em defesa das respectivas categorias que representam. Entretanto, o que mais chama a atenção é que esses sindicatos se unem e formam esse Comitê de sigla COMTRANSLEGAL para reforçarem, com seus apoios e certamente ações, as atividades de outros órgãos cujas funções precípuas são de preservação da legalidade, uns em suas áreas específicas como é o caso da STTP (Superintendência de Trânsito e Transporte Público), outros com atuação de forma bem mais ampla a defesa da legalidade como é o caso do Ministério Público Estadual.

Essa união de forças, como que inusitada, faz-se diante das (ameaças de) invasões cada vez mais crescentes por parte de “transportadores de passageiros não legalizados”, apelidados de “alternativos”, que efetivamente não são, e sim “clandestinos”. Aliás, são “clandestinos” bem mais ousados e/ou afrontosos, vez que mesmo sendo ilegais e ilegítimos não se ocultam na realização de suas ilegalidades. Ao contrário, até parecem querer mostrarem-se, despreocupadamente, como desobedientes à ordem legal.

Entretanto, agora, em Campina Grande, a STTP (Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos de campina Grande) bem dimensiona e mais assume sua função e responsabilidade na coibição da atividade do transporte ilegal de passageiros, isto pela consciência das autoridades municipais competentes de que a cidade, sobretudo como lugar de um povo adequadamente organizado, não pode submeter-se ao desdém dos que assim a querem e muito menos compreendam que convivência social só se faz efetivamente civilizada com a garantia de direitos a serem usufruídos e de deveres rigorosamente cumpridos.
Essa união de forças para dizer NÃO ao transporte clandestino e restabelecer a plena ordem na prestação de um serviço que é essencial para a população e que, principalmente por isto, tem o direito e precisa recebê-lo com regularidade e segurança, traz-nos à lembrança um texto que certa vez constatamos em uma mensagem que corresponde a uma verdadeira advertência a cada cidadão que pretende o melhor para sua cidade.

Diz o texto: – “Na vida algumas atitudes são decisivas e não afetam só a nós, mas a tudo e a todos que nos cercam. Quando fazemos algo de errado, ou ilegal, fazemos também aos outros. É como andar de transporte clandestino!… Você vai destruindo tudo que foi construído. Não conduza sua vida de forma ilegal! Seja legal! Todos ganham com isto!”.

Na quarta-feira passada o COMTRANSLEGAL esteve reunido e avaliou estratégias de ação para o necessário apoio à STTP em sua atividade de fiscalização do setor de transporte público, legal, como deve ser. E na ocasião foi peremptória a declaração do superintendente daquele órgão, Salomão Medeiros, reafirmando sua firme disposição no sentido de que a STTP atue competentemente no gerenciamento do transporte público legal, aí incluindo a proibição do serviço que não for devidamente legal e consequentemente autorizado, porque – como expresso pelo superintendente – Campina Grande não pode e não merece conviver com transporte clandestino.

Esta disposição e rigor fiscalizatório é o que também quer a população, assim como os operadores do transporte público legal!
 

Leia Também