João Pessoa, 26 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 05:56 - 2.6 | 12:09 - 0.1 | 18:28 - 2.4 Dólar 3,31 - Euro 3,70

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Tábua de salvação

Comentários:
publicado em 01/05/2011 às 11h32
A- A+

Foi mais precoce do que se imaginava. Pelo histórico de vitórias, bagagem eleitoral, número de prefeitos e parlamentares, esperava-se que o PMDB resistisse um pouco mais e até ameaçasse esboçar reação com potencial de afastar a maré baixa da derrota imposta pela aliança Cássio/Ricardo em outubro passado.

Mas ontem os peemedebistas deram start a uma arriscada operação política. Cérebros do partido deflagraram escancarado assédio a Cássio (antes chamado de Ficha Suja), a quem cassaram em 2009 e agora o elegeram como tábua de salvação e único balão com oxigênio suficiente para fazer o PMDB respirar perspectiva de poder.

Trócolli Júnior espalhou suposto encontro de Cássio e Maranhão em Brasília, horas depois negado pelo tucano. O próprio Maranhão deixou o caminho livre para as especulações. Na mesma pista, pousou o líder da Oposição na Câmara de João Pessoa, Fernando Milanez, considerando “natural” o conchavo.

Até aí tudo bem. Procurar alternativas de retomada de poder é legítimo e compreensível. Mas a apelação na direção de Cássio foi um atestado de que o barco peemedebista está sem comandante, sem bússola e vazando por todos os cantos.

Mais do que isso. Pelo texto encenado na imprensa ontem, parcela do partido ignorou completamente o nome do prefeito Veneziano Vital como alternativa viável para 2014. Na ânsia de alimentar intriga entre Cássio e Ricardo, os peemedebistas deram aos dois a certeza de que juntos são imbatíveis. Por muito tempo!

Boato –
Na Panorâmica FM, de Campina, Cássio tratou de desmentir qualquer contato nos últimos meses com o ex-governador Maranhão. “Tudo isso não passa de especulação”.

Na esportiva –
O governador Ricardo Coutinho se mostrou indiferente aos boatos disseminados pelo PMDB. Reagiu com bom humor e até brincou ao saber do assunto pelos jornalistas.

Antes e depois –
João Pessoa, 25 de março de 2011. Sede do PMDB. “Já disse isso antes e reafirmo, não é minha intenção e nem irei disputar a prefeitura da Capital”. Afirmação categórica do ex-governador José Maranhão. João Pessoa, 29 de abril de 2011. Sede do PMDB. “O futuro a Deus pertence”. Diferente resposta de Maranhão para igual pergunta.

Vai depender –
Revelação de figura de proa do PMDB à coluna. A definição do candidato peemedebista está dependendo apenas do saldo de uma pesquisa qualitativa, encomendada pelo partido para os próximos dias. O resultado pode mudar tática e peças do xadrez.

Sem pressa –
O ex-governador Maranhão não fixou idéia na necessidade de ocupar cargo federal. Nem mobiliza grandes esforços nesse sentido. Está na base do “tanto faz”. Mas manifestou a amigos que uma das diretorias do Banco do Brasil lhe deixaria feliz.

Desafinou –
Pela manhã, Trócolli Júnior revela convite do Governo para Gervásio Filho, que em seguida negou qualquer assédio. E olhe que a dupla sempre foi muito afinada.

Sinfônica –
Na atrapalhada sinfonia, o maestro vereador pessoense Mangueira foi o primeiro a identificar o desajuste na orquestra peemedebista. “O PMDB está desafinado”.

Tentação –
Foi interessante ouvir o vice Rômulo Gouveia dizer que está tentando convencer a deputada Eva a trocar a maçã do PTN pelo jardim paradisíaco do anjo Kassab.

Ninguém se perde… –
O inexcedível Marcus Odilon se filia neste sábado ao PSD, mesma sigla pela qual foi eleito prefeito a primeira vez na cidade de Juarez Távora no distante ano de 1960.

Do cansaço –
Já o suplente de deputado federal Quinto de Santa Rita, pelo menos por enquanto, não fará o mesmo percurso do pai. Vai permanecer no PMDB. Só pra contrariar.

Agendada –
O presidente da Comissão da Reforma Política, deputado Almeida Lima (PMDB/SE) realiza audiência pública no próximo dia 12 de maio na Câmara de João Pessoa.

É com você Sílvio! –
A secretária Tatiana Medeiros suspeita que a ONG do presidente do Conselho de Saúde de Campina Grande, Sílvio Santos, é uma grande pegadinha. Funciona na casa dele.

Coração de mãe –
A prefeita de Piancó, Flávia Galdino, se superou. Pouco afeita a moralidade, nomeou alguém de coração mole para a secretaria do controle interno: a senhora sua mãe.

Missão partidária –
Assoberbado pelo acúmulo de funções, o senador Vital Filho (PMDB) relutou em aceitar a corregedoria do Senado. Foi convencido por Sarney e Renan Calheiros.

Repaginação –
A participação do secretário executivo do PAC, Ricardo Barbosa, na reunião do grupo de trabalho do “Pacto pela Paraíba” foi elogiada até pelos maranhistas. Acreditem!

PINGO QUENTE –  “Queria ver ela fã de Lula quando ele pedia votos pra Maranhão”. Do deputado Efraim Filho (DEM) sobre a repentina devoção de Raíssa Lacerda a Lula e Dilma.


Leia Também