João Pessoa, 23 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Greve da Educação

Comentários:
publicado em 04/05/2011 às 08h32

Questionado pelo colunista sobre o descumprimento por parte do Estado ao pagamento do piso nacional dos professores, o secretário da Administração, Gilberto Carneiro, esclarece à coluna que o STF ainda não concluiu o julgamento da Adin que questiona o Piso Nacional da categoria.

E acrescenta: “Atualmente o piso é de R$ 1.187 reais para o regime de carga horária de 40 horas. O estado possui regime de carga horária de 30 horas, portanto o valor do piso novo proporcional seria de R$ 891.00 reais para o magistério estadual”.

Pontua mais. “O vencimento inicial do professor de educação básica, classe A, nível I (início de carreira) é de R$ 681 acrescido de 40% de produtividade. Calculando o vencimento, mais produtividade, teríamos um valor superior ao piso nacional, por tanto enquanto o STF não decidir definitivamente a questão a lógica é que para efeito de pagamento do piso se computa a produtividade, e nessa lógica, o governo do Estado está pagando acima do piso”.

Outra observação. “Ao se falar em piso, tratamos do valor mínimo, ou seja, o professor inicial, posto que os demais todos têm seus salários muito acima do piso, ao se aplicar as tabelas de progressões de acordo com as classes e níveis”.

E sentencia recorrendo à crise financeira: “Estamos impossibilitados de conceder reajuste por força da lei de responsabilidade fiscal, pois estamos com 54% de comprometimento da LRF, quando o limite prudencial é de 46%”. São os números.

Contraproposta –
Carneiro lembra que o Governo acatou a contraproposta do Sindicato de criar bolsa de R$ 230 e a garantia que o benefício seria provisório até o Estado recuperar as finanças.

Surpresa –
“Apesar da contraproposta do sindicato ter sido aceita, fomos surpreendidos pela declaração de greve por tempo indeterminado na última sexta feira”, finaliza Gilberto.

O piso, a nota da APLP e a cobrança –
A coluna registra nota do professor Francisco Fernandes, da APLP. “O Piso Salarial deve ser pago como vencimento básico, como está no texto da Lei, ao invés de vantagens somadas, a exemplo de gratificações de atividades e outras. O magistério não está cobrando reajuste salarial, mas, sim, o estrito cumprimento legal”.

Questão de coerência –
“Para manter a coerência, o Governo do Estado tem que continuar afirmando que vem pagando o Piso Salarial, agora deve fazê-lo como vencimento básico, de acordo com o que determina a Lei. Assim é que decidiu o STF”, encerra a nota da APLP.

Faltou tempero? –
O deputado Toinho do Sopão (PTN) surpreendeu ontem ao distribuir críticas e desabafos contra setores ligados ao Governo. Toinho repudiou a postura da Sedurb de João Pessoa e atribuiu a morte de uma tia ao “descaso” da Secretaria de Saúde.

Exposição –
O deputado Edmilson Soares (PSDB) fez a defesa do Governo e aconselhou Toinho a tratar destas questões internamente para evitar “expor o governador Ricardo Coutinho”.

Trauma  –
“Eu não vou botar ninguém pra fora de Hospital. Vamos atender nem que seja no corredor”. Do governador Ricardo sobre as denúncias de superlotação no Trauma.

Peitando –
Ricardo mostrou ontem que não se intimidou com a exploração midiática da situação do Trauma de João Pessoa por setores da “novíssima” oposição. “Podem criticar”.

As paralelas –
Enquanto Wilson Santiago se preparava para receber a bancada no seu gabinete, Joaquim Barbosa tirava-lhe as últimas esperanças. E o diploma de senador.

Pra retardar –
Assim que soube de rumores de recurso dos advogados de Santiago, Luciano Pires avisou que a defesa de Cássio pode acionar Wilson por litigância de má fé.

Em Brasília –
Ao ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, o prefeito Veneziano Vital (PMDB) pediu a inclusão de Campina na pauta de investimentos privados.

Entrou na luta –
Veneziano manifestou ao ministro o interesse do município receber a gigante asiática Foxconn, que se prepara para investir R$ 12 bilhões em cinco anos no Brasil.

Deslizou –
Não pegou bem para o ex-deputado Marcondes Gadelha (PSC), uma das mentes mais brilhantes da política estadual, chamar de “balela” a tese do Pacto pela Paraíba.

Ruy ignora –
Revide de Ruy Carneiro (PSDB). “Não acredito que com união não consigamos nada. Não é possível a bancada inteira pedindo ao Governo não conseguir nada”.

Novo apelo – Agora foi a vez do líder André Gadelha escancarar as portas do PMDB para Cássio, o oxigênio escolhido pelos peemedebistas para respirar perspectiva de poder.

PINGO QUENTE – “Só tenho ciúme de minha mulher. Eu vou lá ter ciúme de homem”. Do deputado Zé Aldemir, contestando ter evitado comitiva de Ricardo por causa da presença do rival Lindolfo Pires.


Leia Também