João Pessoa, 24 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

A estratégia de Vené

Comentários:
publicado em 13/05/2011 às 08h20

A preço de hoje, o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital (PMDB), não tem um candidato guardado na cartola para apresentar ao eleitorado campinense na sucessão municipal. E, pelo o que a coluna apurou, não pretende ter, seja por falta de um nome consistente no círculo mais íntimo, seja por estratégia política.

De acordo com as fontes ligadas ao “cabeludo” consultadas pela coluna, Veneziano vê o cenário sob a perspectiva de pelo menos três nomes de sua base. Daniella Ribeiro (PP), Guilherme Almeida (PSC), além da candidatura do PT, sobre as quais Vené acredita não ter ingerência direta ao ponto de pedir a retirada destas.

A construção de uma postulação pelo PMDB só ocorrerá em caso de decisão conjunta e acordada pelos demais candidatos. Essa seria a estratégia traçada para o primeiro turno. A tese é provocar a prorrogação da disputa para o segundo tempo.

Mas uma ala do ‘venezianismo’ advoga a composição. A idéia seria a costura de uma chapa coesa, reunindo os segmentos identificados com a gestão do prefeito para enfrentar o grupo Cunha Lima, que deve ser personificado por Romero Rodrigues.

Traduzindo. Veneziano vai concentrar forças para amealhar o maior número possível de aliados em prol da continuação do seu projeto. A estratégia principal vai depender do humor dos candidatos do seu entorno ou da conjuntura de 2012. Até aqui, predomina a tese de união em torno de apenas uma chapa.

Crença –
Venezianistas não vêem disposição do ex-governador Maranhão, majoritário no PMDB, criar embaraços ao projeto 2014 de Veneziano. “O projeto dele é o nosso”. Será?

Fora da lista –
Nas conversas com setores aliados de Veneziano não há qualquer menção ao nome do vice-prefeito José Luiz Júnior (PSC) como alternativa do grupo. Nem por cortesia.

A SP, a Globo e a “maquiagem” –
A diretora regional da SP Alimentação, Vaste Félix, acusou ontem a TV Globo de “maquiar” a reportagem que expôs a merenda de João Pessoa. Embora tenha criticado a afiliada da Globo na Paraíba por ter se negado a veicular esclarecimento, Vaste não se pronunciou sobre as vastas denúncias contra a empresa em outras cidades.

Durval refuta interesse em manobra – O presidente da Câmara de João Pessoa, Durval Ferreira (PP), negou especulações de manobra de um grupo de vereadores interessados numa eventual posse, em caso de prosperar a remotíssima chance de impeachment. “Jamais. Não acredito nisso”.

Palavra de quem sabe das coisas –
Na mesma pisada andou o vereador Zezinho do Botafogo (PSB) que descreditou qualquer possibilidade de golpe orquestrado com a ajuda de vereadores da base. E olhe que Zezinho conhece mais do que ninguém a história dos bastidores da Câmara.

Delírio –
“Não acho nada. Não tenho preocupação com isso. Isso só pode ser delírio ou muita criatividade”. Reação do prefeito Luciano Agra (PSB) aos boatos de “golpe”.

No cantinho –
O que conversavam ontem em mesa reservada de restaurante pessoense o senador Vital Filho (PMDB) e o presidente do Sindicato dos Professores, Antônio Arruda?

Recursos –
A secretaria de Saúde do Estado estima gastos na ordem de R$ 7,5 milhões com custeio dos hospitais neste mês. Até abril, o Governo investiu cerca de R$ 22 mi no setor.

Ambulância… –
O vereador Cícero Romão (PSB), de Serraria, descobriu que a Prefeitura pagou R$ 2.380 pelo aluguel de um carro que teria servido para transporte de pacientes.

…De carga –
Até aí tudo bem, se não fosse o parlamentar ter constatado no Detran que o veículo em questão é uma caminhonete de carga e o proprietário é um fornecedor de bebidas.

Sem tempo –
O superintendente do Dnit-PB, Gustavo Adolfo, deve está mergulhado nas articulações pela permanência no cargo. Falta-lhe tempo até para honrar entrevistas agendadas.

Prerrogativa –
A OAB detectou “invasão” de advogados de outros estados na Paraíba. O presidente Odon Bezerra lembra que essa atuação depende de autorização da Ordem local.

Encastelada – Rosilene Gomes mostrou ontem o tamanho do compromisso com o futebol paraibano. Ela fugiu do debate com o radialista Fabiano Gomes e os deputados na Assembléia.

Depuração – Observação de venenoso militante girassol. “Só há um vereador ‘puro’ na Oposição: Marcus Vinicius (PSDB)”. Os demais beberam muito nas fontes de Água Fria.

Corpo fora –
O vereador Alcides Cavalcante (PRP) pediu a Câmara investigação sobre quem recebeu R$ 16 mil de funcionária que sequer sabia da nomeação no seu próprio gabinete.

PINGO QUENTE – “Eu nunca fui caloteiro na minha vida”. Deputado Toinho do Sopão (PTN) negando acusação de calote a cabo eleitoral.

Leia Também