João Pessoa, 24 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de vice-presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

Uma história de amor!

Comentários:
publicado em 13/05/2011 às 06h32

São milhares as histórias de amor! Mas, nunca é demais que se conte mais uma… uma outra história de amor.

Antes, porém, cabe destacar que me reporto, mesmo, ao amor de um casal que certo dia se encontrou, namorou, noivou, casou. Vieram os filhos, os netos… e eles dois (ela já quase em seus oitenta anos, ele já além desses oitenta) sempre como (e)namorados.

Refiro-me ao meu sogro Otávio (da Silva Guerra) e à minha sogra Josefina (Lucas Guerra). Sabem aquele dizer almas gêmeas? Eles eram assim… um para o outro!

Seu Otávio, paraibano nascido em 1920, no ano 1940 fez-se soldado da Polícia Militar. Depois foi promovido ao posto de cabo. Entretanto, em l944 desligou-se da PM e se inscreveu como voluntário para a FEB (Força Expedicionária Brasileira). Integrou as tropas brasileiras nos campos de batalhas da Itália, na 2ª guerra mundial, tendo participado, inclusive, da Batalha de Monte Castelo. Entretanto, logo em seguida, quando com outros brasileiros guardavam uma área que a FEB havia conquistado, um grupo alemão contra eles arremessou granadas. Seu Otávio foi ferido, ficando desfalecido. Só retomou seus sentidos quando já se encontrava em alto mar, em um dos navios que trouxeram os brasileiros até ao Rio de Janeiro.

Dona Josefina, carioca nascida em 1924, foi, desde menina-moça, sempre muito prendada. E aos fins de semana, juntamente com amigas e/ou familiares, cumpriam a missão cristã de visitar pessoas que se encontrassem hospitalizadas e que não tivessem familiares para visitar-lhes. Em uma dessas visitas conheceu seu Otávio, “pracinha” que ainda estava em um hospital do Rio, convalescendo dos ferimentos que sofrera na Itália.

Os dois se enamoraram. E logo se casaram. Vieram a João Pessoa só pra passear. Mas, nunca mais voltaram para o Rio, só o fazendo a passeio.

Quando, em 1966, conheci seu Otávio e dona Josefina, eles já tinham a filha Ana (com quem me casei) e o filho Roberto. Moravam em Jaguaribe, aqui em João Pessoa. Tempos depois, com seus 47 anos, e como um novo fruto de seu amor com seu Otávio, dona Josefina deu à luz o terceiro filho, Ronaldo, nesta época já morando em Itabaiana. Eram bonitos os passeios de seu Otávio com dona Josefina lá na praça, sempre de mãos dadas… soltas só quando abraçados! Estes passeios, com a mesma lindeza, voltaram a ser feitos aqui em João Pessoa a partir de 1973, quando a família retornou pra Capital.

Dia 26 vindouro completam nove anos que dona Josefina foi chamada por Deus. Cinco anos depois seu Otávio não suportou a saudade e foi com ela se encontrar.

Neste sábado, 14 de maio, completam 91 anos do nascimento de seu Otávio. Por tudo quanto vivemos com ele e dona Josefina, pela alegria que ela transmitia e pela permanente serenidade dele, hoje temos a certeza de que lá nos céus os dois estão de mãos dadas comemorando de forma diferente o aniversário natalício de seu Otávio. E de lá nos contemplam e pedem a Deus por todos nós (os filhos Roberto, Ana e Ronaldo; as noras Auxiliadora e Ana; o genro Mário; os netos Márcio, Marcelo, Mariana, Rebeca, Robertinho, Flavinho e Otávio; as bisnetas Maria Luísa, Ana Clara e Maria Sophia; o bisneto Mário; e Rafael, Magnólia e Juliana, cônjuges de seus netos). Eles, seu Otávio e dona Josefina, marcaram e marcam uma exemplar história de amor!
 

Leia Também