João Pessoa, 23 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 03:26 - 2.5 | 09:41 - 0.1 | 15:56 - 2.5 | 21:58 - 0.2 Dólar 3,33 - Euro 3,73

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Na corda bamba

Comentários:
publicado em 15/05/2011 às 08h41
A- A+

Se não for desta vez, dificilmente ruirá o castelo, alicerçado em 22 anos, da presidente da Federação Paraibana de Futebol, Rosilene Gomes. A nave da toda poderosa dirigente começa a emitir sinais de falta de combustível.

A turbulência decorre do desgaste de uma gestão centralizadora que se repete a cada eleição por força de uma estratégia dominadora perpetrada por Rosilene e sua trupe. Segundo relato do comentarista esportivo Ronaldo Belarmino, a quem reputo digno de todo o crédito, a presidente ‘escraviza’ os clubes paraibanos.

Eles vão acumulando dívidas ao longo das competições e doutora Rosilene vai juntando cheques sem fundo e outras pendências sem quitação. Não demora muito para ter em suas mãos a direção dos times devedores, transformados em reféns.

De acordo com o jornalista Phelipe Caldas, do Blog Carrinho por Trás, uma das poucas vozes da crônica esportiva paraibana que teve coragem de se insurgir contra o domínio imperial de Rosilene, a presidente faz da doação de material esportivo o seu principal trunfo para controlar o voto dos clubes, especialmente os amadores.

Pelos relatos, não há dúvidas da imposição de uma “ditadura branca”, no dizer do radialista Fabiano Gomes, criador do “Fora Rosilene”. No entanto, a queda dela está nas mãos dos clubes. Ou reagem agora, ou se calarão para sempre. Assim como ameaça silenciar o grito da nossa descorada e cada vez mais magra torcida paraibana.

Enfrentamento –
Para quem pensa que a coisa chegou longe demais em conhecida crise, as cenas do próximo capítulo prometem mais acirramento e novas batalhas de guerra aberta.

Esperava mais –
Militante que esperava ser aproveitado no Governo, por indicação de Cássio, confessava decepção em restaurante pessoense. “Ofereceram-me um carguinho de R$ 800”.

Pulverização de candidaturas em Campina –
O deputado Guilherme Almeida (PSC) confirmou o que a coluna antecipou na análise sobre a estratégia política do prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital (PMDB), na sucessão. “Ele vai ter mais de um candidato”, frisou Almeida. A lógica do grupo venezianista é pulverizar candidaturas para obrigar um segundo turno na disputa.

Pequena suposição no Maior São João –
Até agora a Assessoria do governador não confirmou se Ricardo Coutinho comparecerá ao São João de Campina Grande, após tanta polêmica com o prefeito campinense. Pelo estilo, é bem provável que o socialista compareça ao evento. E ao lado de Cássio.

Diversificando investimentos –
Conceituado empresário do setor educacional quer apostar em novos negócios e ampliar seu raio de atuação no mercado. Delegou aos consultores a missão de formatar projeto de um site de notícias com potencial para figurar no topo dos mais acessados do Estado.

Plano B –
Aliados do ainda senador Wilson Santiago (PMDB) sonham alto. Estão certos que ao sair do Senado, o peemedebista será consolado com o ministério dos Transportes…

É o fraco! –
Crente na operação, o ex-superintendente do Dnit da Paraíba, Expedito Leite, aliado de Santiago, estaria até se preparando para assumir cargo nacional no Ministério.

Xô Shell –
De todas distribuidoras, somente a Shell se recusa a baixar o preço do combustível vendido em João Pessoa. O consumidor deve dá o troco e boicotar a bandeira.

Fiel da balança –
Em Sousa, o ex-prefeito João Estrela (PDT) é tratado nos meios políticos como elemento decisivo. O apoio do “galeguinho dos olhos azuis” decide a parada.

De todo jeito –
Em Cajazeiras, o vereador Marcos Barros (PSB) quer ser candidato a prefeito com o apoio do grupo de Carlos Antônio (DEM) ou com a ajuda de Léo Abreu (PSB).

Praia em Campina –
Conforme a coluna havia antecipado, a praia chegará à Campina. Em outubro, a cidade sedia o Circuito Sulamericano de Vôlei de Areia, informa o senador Vital Filho.

Sal grosso –
O deputado Márcio Roberto (PMDB) precisa se benzer. O homem se livrou do TSE em 2010, mas virou “ficha suja” ao ter as contas reprovadas pela Câmara de São Bento.

Metralhadora –
Disposto a botar o secretário de Segurança, Cláudio Lima, na parede, o deputado Anísio Maia (PT) diz que os números da violência na Paraíba subiram em cerca de 30%.

Novos tempos… –
O parecer da LDO/2012 passou sem dificuldades na Comissão de Orçamento, presidida por Gervásio Maia (PMDB). Ninguém sentiu saudade do preciosismo de Zenóbio…

Manual da vida –
O ex-vereador pessoense Marconi Paiva aprendeu no final de semana passado uma lição superior à soma de seus quatro cursos de nível superior e especializações.

PINGO QUENTE – “Meu amigo, eu tenho posto lá no Sertão”. Marcha-ré do deputado André Gadelha convocado pelo repórter Écliton Monteiro a lutar pela baixa no preço da gasolina.