João Pessoa, 23 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 03:26 - 2.5 | 09:41 - 0.1 | 15:56 - 2.5 | 21:58 - 0.2 Dólar 3,33 - Euro 3,73

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Nova mentalidade

Comentários:
publicado em 23/06/2011 às 13h53
A- A+

Já passou da hora. Não dá mais pra ficarmos remoendo ódio de duas décadas de disputa política mesquinha, rasteira e impregnada de interesses inconfessáveis, apesar de bastante presumíveis ao consciente do distinto público paraibano.

Aqui, tudo é visto a partir da ótica da politicagem. Por isso, quase nada anda e tudo emperra. Ninguém suporta mais pagar a alta conta do preço gerado pela eterna briga de dois cordões, sem trégua e de conseqüências catastróficas.

Se o presidente programava viagem ao nosso Estado, logo a agenda era detonada devido aos vetos de um setor da política local. Determinado quadro técnico nosso poderia deixar de ser nomeado porque desagradava a cicrano ou a beltrano.

Se a obra foi concebida e iniciada por ex-gestor adversário estaria condenada a virar escombro porque o ocupante da mais plumosa cadeira do Palácio precisava queimar a imagem do antecessor ou fazer seus feitos serem rapidamente esquecidos.

Agora, antes de se discutir os méritos da polêmica permuta do terreno da Acadepol, mais uma vez rastejamos no debate politiqueiro. Irresponsavelmente já se acusa o interessado de ter uma bancada ou de ser financiador de campanha A ou B.

Por outro lado, quem ousa contestar os métodos atabalhoados do Governo gerir essa negociação, é logo acusado de radical ou de estar querendo impedir o crescimento do Estado. Está na hora de abolirmos esse estéril maniqueísmo que insiste em dividir a Paraíba entre contra e a favor. O debate desapaixonado só nos faz avançar. E crescer.

Cutucou com… –
O senador Cícero Lucena colocou dúvidas sobre a transparência da permuta e levantou a tese de que a Paraíba pode ter sérios prejuízos com a transação.

…Vara curta –
Cícero cutucou e teve que ouvir contundente revide do secretário Nonato Bandeira. “Ele tem que se olhar no espelho. Negócio escuso existia no governo dele”.

A aprovação de Luciano Agra –
Encomendada pela Revista Politika ao Op-Data e publicada pelo MaisPB, a pesquisa mostrou aprovação de 57,8% da administração do prefeito Luciano Agra (PSB), em João Pessoa. Poderia ser melhor, mas indica satisfação do eleitor com as ações da gestão. Talvez a população espere intervenção mais forte no trânsito.

A avaliação do Governo Veneziano II –
Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) é aprovado por 51,5% do povo campinense. 39,2 dos entrevistados desaprovam a gestão de Vené. Se quiser alavancar a candidatura de um nome aliado ao seu grupo em 2012, o prefeito precisa incrementar esse índice.

Jota Júnior: campeão de rejeição –
A desaprovação de 81,5% do governo do prefeito Jota Júnior (PMDB) apesar de ser a maior entre oito municípios pesquisados, não surpreende o morador de Bayeux. Do jeito que vai, Jota ajudará muito passando longe do palanque do seu candidato.

Panela velha, comida boa –
Apesar do tempo de estrada em Santa Rita, o prefeito Marcus Odilon faz inveja a muito gestor de primeiro mandato. Ostenta uma aprovação de 60,2 dos santaritenses.

Cacife –
A depender da aprovação superior a 67%, o prefeito de Patos, Nabor Wanderley (PMDB), será um forte cabo eleitoral na sua sucessão em 2012.

Altos e baixos –
Em Sousa, mesmo diante de episódios negativos à imagem do prefeito, Fábio Tyrone (PTB) é bem avaliado pelos sousenses com aprovação de 59,7%.

Time – O eleitor de Cajazeiras (44,7%) deu trégua ao prefeito Carlos Rafael (PTB) e preferiu não responder, mas outros 29,8% aprovaram e 25,5% rejeitaram.

Naufrágio –
Em Cabedelo, o segundo governo de José Régis (PDT) é desaprovado por 66,6%. Em conflito com o eleitor, terá dificuldades de emplacar um aliado em 2012.

Tática – Pelo dizer de Cássio ontem, Diogo só entra em campo noutra partida em Campina. Para 2012, o escalado será o deputado Romero Rodrigues (PSDB).

Nem aí –
“Não há nada que nos impeça de continuar crescendo”. Reação do vice-governador Rômulo Gouveia a tentativa do PSDB barrar o PSD nos estados.

Conquistada –
“Se tivesse que recomeçar minha vida, começaria pela Paraíba”. Da empresária Luiza Helena, ao assinar protocolo da instalação da Central do Magazine.

Salvos por Jeová –
No esforço concentrado, passando do meio dia, os vereadores escaparam com pipoca bokus cedida por Jeová, assessor do vereador Tavinho Santos (PTB).

Esgotado –
Às 13h30, o vereador Felipe Leitão (PRP) não tinha nenhum projeto na pauta, mas estava exausto. Olhava para a Mesa e apontava para o relógio.

PINGO QUENTE – “Ele nem compareceu, nem estava presente”. Do vereador pessoense Sérgio da Sac (PRP), contestado a presença física e talvez espiritual do colega Tavinho em reunião de comissão.

 

Leia Também