João Pessoa, 24 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Distensão

Comentários:
publicado em 04/07/2011 às 07h46

Se ainda não tem um arsenal concreto de obras de cal e pedra, estágio admissível para um começo de mandato, o Governo recém instalado na Paraíba busca em gestos e na postura política marcar um diferencial em relação aos demais.

Isso tem ficado muito claro nesses seis meses. No destravamento e continuidade do Centro de Convenções e Translitorânea, obras de Cássio e Maranhão, e na manutenção da nomenclatura dessas relevantes ações estruturantes.

Não precisa regredir a um passado distante para lembrar que vez por outra o marketing de alguns governos recomendava modificação dos nomes originais para carimbar, com o selo do governante da hora, determinada realização governamental.

A atual gestão tem se esquivado dessa regra. O governador imprime essa marca ao convidar os dois ex-governadores para abertura do Trauma de Campina, iniciado por Cássio, tocado por Maranhão e pronto agora. Um gesto do tamanho da obra.

A rigor, esse deveria ser o comportamento normal, mas na Paraíba, de convivência mínima e respeitosa quase impossível entre seus agentes políticos, a atitude de Coutinho se veste de tanta excepcionalidade ao ponto de causar estranheza na aldeia.

Jamais sairemos da nossa pequenez no mapa, se a evolução não começar pela cabeça de quem pensa e faz a nossa política. Essa é uma exigência da Paraíba e não um favor do senhor Ricardo. Por isso, seu eu fosse Maranhão iria ao evento que só acontece terça-feira graças também ao seu empenho. Iria de peito aberto. E sem traumas.

O dono –
Está na hora de acabarmos essa “atrasada” briga por paternidade de obra. Erguido com dinheiro público, o bem é do povo e não cartão postal de político.

Formal –
Conforme a coluna conseguiu captar, o cerimonial do Governo do Estado despachou neste final de semana ofícios às residências de Cássio e Maranhão.

O balanço do Maior São João do Mundo –
“O melhor São João da história de Campina Grande”! A exclamação é do jornalista Carlos Magno, coordenador de Comunicação da Prefeitura, observador desde a 1ª das 28 festas. Magno ressaltou o aperfeiçoamento da organização, estrutura e decoração, que atraíram a imprensa nacional (Record News) e internacional (Clarín, Le Monde).

Kassab, o PSD e Rômulo –
Pelas palavras do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, no sábado, em João Pessoa, o cacife do vice-governador da Paraíba, Rômulo Gouveia, está alto dentro do PSD. O dirigente nacional reconheceu o trabalho de articulação de Rômulo na Paraíba.

Torre de Babel –
Apesar de aliados e parceiros de caminhada, os deputados Manoel Ludgério (PSD) e Romero Rodrigues (PSDB) ainda não conseguiram falar a mesma língua quando o idioma passa pela eleição de 2012 em Campina. Ambos querem entrar na disputa.

Interpretação –
O deputado Guilherme Almeida chamou de provocação o convite de Ricardo a Cássio e Maranhão. “Só pode ser. A obra já estava inaugurada…”.

Sem trégua –
“… Cobramos dele a abertura e ele só não botou pra funcionar por questões políticas”. Pelo visto, já dá pra ver o conselho que Maranhão receberá.

Incêndio no canavial –
O ascendente vereador Adones Júnior (PMDB) perdeu a queda de braço pelo domínio do PSD para o prefeito de Santa Rita, Marcus Odilon.

Atraso –
Funcionários da Empresa Rádio Tabajara ainda não viram a cor do salário de junho. Estão apelando pela sensibilidade da secretária Livânia Farias.

Pouco e sofrido –
Aliás, no mês passado, a humilhação foi a mesma. Os funcionários tiveram que esperar a secretária assinar um cheque para poder fazer a feira.

Contradição –
Enquanto expulsa prefeitos, o PSB avalia o retorno de outro infiel, o ex-deputado Expedito Pereira, que quer disputar mais uma vez em Bayeux.

Contando as horas –
Aos mais próximos, o suplente de vereador Dinho (PRP) não conseguiu disfarçar a ansiedade pela posse na Câmara de João Pessoa, hoje.

Em Sousa –
Apesar de alguns fatos pessoais desfavoráveis, o prefeito Fábio Tyrone (PTB) vem conseguindo atrair adesões de lideranças e vereadores.

Elemento surpresa –
O empresário Diogo Cunha Lima ainda não deu resposta ao convite do PSD. Deve se filiar aos 45 do segundo tempo no time da torcida do pai.

Intercâmbio –
O embaixador da Bélgica, Claude Misson, passa o dia hoje no Palácio, onde se reúne com reitores das universidades e janta com o governador.

PINGO QUENTE – “Pra quê essa pressa? Você é novo ainda”. Do deputado Edmilson Soares (PSB), questionado pelo repórter Roberto Targino, do MaisPB, sobre as adesões prometidas e não concretizadas.

*Reprodução do Correio da Paraíba
 

Leia Também