João Pessoa, 20 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Miragem no deserto

Comentários:
publicado em 30/09/2011 às 07h31

Os possíveis leitores já devem ter percebido que esta coluna não economiza angustiadas críticas ao estágio crônico de radicalização política infrutífera a que o povo paraibano tem sido submetido como castigo nos últimos vinte anos.

Com o mesmo ímpeto da revolta, este espaço também festeja as raríssimas ocasiões nas quais um agente político cai em si e reconhece que nessa pisada nós vamos ao buraco, se é que já não estamos nele e só não o vemos devido à escuridão do poço.

Ontem, dois deputados deram-me a certeza de que não tenho gritado em solitário deserto e que vale a pena continuar cobrando grandeza, empenho, proatividade e uma nova postura à nossa acomodada e egocêntrica e medíocre classe política local.

Falo dos beduínos Anísio Maia (PT) e Trócolli Júnior (PMDB). Ambos levantaram ontem a necessidade de se repensar o caminho que estamos seguindo de olhos vendados rumo ao abismo, quando os nossos vizinhos já acharam o oásis.

Trócolli gritou de um lado lamentando a Paraíba no deplorável penúltimo lugar na captação de recursos federais. Como aceitar essa condição calados e gastando toda energia discutindo bobagem? Quanto tempo ainda temos para tratar dessa lesão?

Do outro, o talibã Anísio Maia baixou as armas para, acertadamente, propor critérios justos e técnicos de distribuição dos recursos aos Estados, a partir da população e IDH (inversamente proporcional). Se já estivessem vigorando, essas regras teriam nos livrado do vexame de sermos lanterninha no Orçamento Geral da União 2012.

Debate –
Anísio Maia propôs a realização de um seminário específico na Assembléia só para tratar dos detalhes do Orçamento da União e alternativas de incremento.

Quem cala… –
É ensurdecedor o silêncio da maioria da bancada federal à pífia previsão de investimentos do Governo Federal em 2012 na Paraíba. Deve ter gostado.

A luta pela subsede e a fala do ministro –
O ministro dos Esportes, Orlando Dias, deu uma aula de contorcionismo. Primeiro fraturou a aspiração da Paraíba ser subsede da Copa de 2014, uma luta do atual Governo. Em seguida, o ministro comunista aplicou um anestésico para diminuir a dor da pancada nos conformando com a possibilidade do aproveitamento turístico.

Pleito real do Governo da Paraíba –
A secretaria de Esportes esclareceu que houve equívoco na interpretação da declaração do ministro. De acordo com a Assessoria, este termo subsede inexiste e que na verdade a Paraíba pleiteia sediar centro de treinamento de uma seleção na Copa.

Adequação do antigo Dede –
Para isso, acrescenta a Assessoria, o Governo tem estabelecido diálogo com o Ministério. O ministro, segundo a Secretaria, já anunciou recursos para a revitalização e adequação da Vila Olímpica Ronaldo Marinho às exigências da Fifa.

Operador –
“Tica de Jadí”. Eis o codinome mais balbuciando nos bastidores dos polêmicos julgamentos na Justiça Eleitoral paraibana. A casa pode cair.

Dossiê –
A primeira dentada foi no estacionamento daquela churrascaria no Cabo Branco. A picanha não chegou completa. Titica foi experimentar outra carne.

Acerto –
Às 21h30 da confraternização, a última mensagem foi disparada direto da Adega. Um café na sala do magistério. E o finalmente nas escadas federais.

É ela –
A secretária Tatiana Medeiros não admite, mas somente a estratégia de ocupar espaços na mídia nos últimos dias já revela por si só a sua missão em 2012.

Primeiro passo –
Perspicaz, Tatiana percebeu que para se credenciar precisa promover e fazer a defesa do Governo Veneziano. Ela se filia hoje aos quadros do PMDB.

Curto e grosso –
O governador Ricardo Coutinho (PSB) foi seco ao comentar o comportamento do deputado Janduhy Carneiro (PPS). “Ele não é mais da nossa base”.

Olhos nos olhos –
“Ele deveria ter me dito olho no olho que não me queria na bancada”. Desabafo de Janduhy, que diz nem ligar para as demissões dos afilhados.

Passando a bola –
Foi curiosa a recomendação aos repórteres do presidente estadual do PPS, Zé Bernardino. “Procurem Nonato Bandeira. Ele pode falar também”.

Sucessão –
A professora Margareth Formiga, do CCS, realiza hoje, às 9h, no HU, a reunião de adesão ao Projeto UFPB Mais. Uma espécie de pré-lançamento.

Tesouradas –
De hoje até segunda-feira, a coluna será assinada pelo dom Quixote da imprensa local, o intrépido Wellington Farias, referência do nosso melhor jornalismo.

PINGO QUENTE – “Eu já peguei a minha carta de alforria”. Do vereador Felipe Leitão (PRP), aliviado ao quebrar as correntes do PRP, seu antigo partido, e agora livre para escolher a melhor sesmaria para cultivar 2012.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba

Leia Também