João Pessoa, 17 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
‘FENÔMENO’

Gobira revela que “pedia comida e carona” para fazer campanha

Comentários:
publicado em 23/10/2014 às 15h56
A- A+

O sapateiro e ex-candidato a deputado federal nas eleições do último dia 05, Antônio Gobira, revelou, nesta quinta-feira (23), que pedia comida e carona para poder fazer sua campanha nas cidades do sertão paraibano. Mesmo com todas as dificuldades, Gobira obteve mais 48 mil votos, sendo um dos candidatos mais votados no pleito.

“Pedia carona e comida. Aonde chegava pedia um prato de comida e as pessoas me davam”, revelou.

O sapateiro declarou também que contou com a ajuda dos irmãos para alimentar a família. “Minha esposa me ligava e dizia que não tinha o que comer em casa, aí eu ligava para minha irmã e pedia para ela levar comida para minha família”, declarou.

Afirmando ser extremamente pobre, o sapateiro declarou que vendeu três caixas de fogos, que sobrou da campanha, para comprar comida para sua famáilia. 

Gobira acrescentou que já visitou várias cidades em que fui votado para agradecer o apoio dos eleitores e também admitiu que pode disputar a prefeitura de Cajazeiras, seu principal reduto eleitoral, nas eleições municipais de 2016, mas ressaltou que depende da vontade do povo. "Quem vai decidir é o povo”, afirmou.

Ele também lamentou o fato de ter ido ao município de Sousa, onde tirou cerca de cinco mil votos, apenas dois dias durante a campanha. “Se tivesse passado pelo menos cinco dias teria tirado mais de 20 mil votos na cidade e conseguido me eleger”, comentou.

Marcondes

Com relação às declarações do ex-senador Marcondes Gadelha, que tenha em Sousa sua principal base eleitoral, e lhe culpou pela derrota no pleito, Gobira disse que Marcondes tem que respeitar o povo e entender que ninguém é dono votos. “Ele tem que respeitar o povo, se ele não foi eleito é porque o povo não queria. Ele todo dia bate em mim, mas eu não respondo. A sorte dele é que eu só tive dois dias para andar em Sousa. Se tivesse mais tempo, teria tirado muito mais votos”, enfatizou.

Cristiano Teixeira – MaisPB

Leia Também