João Pessoa, 20 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
FATALIDADE

Durante visita, mãe morre ao saber que filho foi morto em presídio de GO

Comentários:
publicado em 24/10/2014 às 14h47

O detento Emerson Aparecido da Silva, 41, foi encontrado morto, na quinta-feira (23), em uma das celas do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Sem saber do ocorrido, a mãe do detento, a aposentada Maria Nazaré, 71, foi visitá-lo. Ao ver o corpo do filho, a idosa sofreu um mal súbito e também morreu no local.

A declaração de morte aponta que o detento morreu por asfixia e estrangulamento. O documento também afirma que a provável circunstância da morte foi homicídio.
A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus) informou, em nota, que abriu sindicância para apurar as circunstâncias e as responsabilidades sobre a morte do detento.

Mãe e filho são velados juntos no Cemitério Jardim da Paz, em Aparecida de Goiânia. O enterro está previsto para o final da tarde desta sexta-feira (24).

Ex-policial

Emerson era policial militar e foi expulso da corporação por ser dependente químico. Ele foi preso em flagrante, em 11 de agosto, suspeito de tráfico de drogas. A defesa alega que os entorpecentes eram para uso pessoal da vítima.

Segundo a família, os outros presos descobriram que Emerson era ex-policial e, desde então, passaram a ameaçá-lo de morte. Inclusive, ele foi espancado no dia 19 de agosto. Devido às fraturas e aos hematomas, a vítima ficou internada no posto de saúde da unidade, de onde saiu na última semana e voltou para o convívio com os demais presos.

Pedido de transferência

O advogado de Emerson, Hélio Bueno, conta que, enquanto estava na enfermaria, o cliente escreveu uma carta para a direção do presídio pedindo que ficasse em uma cela separada. No texto, ele alertava: “Fui identificado por três internos que havia efetuado suas prisões”.

De acordo com o advogado, o assassinato de Emerson poderia ser evitado. "Houve uma omissão do sistema carcerário e uma morosidade do Judiciário, que impediu o juiz de apreciar o pedido e determinar que ele pudesse ficar em um local seguro para resguardar a vida dele", defende.

Apesar da declaração do advogado, a Sapejus alega que Emerson estava detido em uma cela destinada a ex-policiais e filhos de policiais.

G1

Leia Também