João Pessoa, 15 de dezembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
DECISÃO

Justiça autoriza Luiz Estevão a cumprir pena na Papuda

Comentários:
publicado em 28/10/2014 às 06h03

 O empresário Luiz Estevão de Oliveira Neto será transferido da Penitenciária Dr. José Augusto César Salgado, Tremembé 2, a 160 quilômetros de São Paulo, para o Complexo Penitenciário da Papuda nos próximos dias.

A Justiça do Distrito Federal e a de São Paulo autorizaram o deslocamento do preso no fim de semana e a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) paulista recebeu a determinação agora há pouco. “Estamos esperando os advogados dele entrarem em contato conosco para dizer como será feito o traslado”, disse o titular da SAP, Lourival Gomes.

Estevão cumpre pena no regime semiaberto há quase um mês em Tremembé. Ele foi condenado a três anos e nove meses de prisão por falsificar documentos contábeis que camuflavam um rombo de quase 1 bilhão de reais (valores atualizados) na construção do prédio do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo, na década de 90. Na penitenciária paulista, o preso está num galpão com outros 48 detentos.

No atual regime, ele pode trabalhar, mas apenas dentro do complexo. Na Papuda, ele terá a possibilidade de sair no horário comercial, caso arrume emprego fixo com carteira assinada. Uma imobiliária já ofereceu emprego ao ex-senador, mas a Vara de Execuções Penais do DF ainda vai analisar o pedido.

Na Papuda, Estevão vai ficar no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), em uma ala específica para presos vulneráveis, mesmo local em que se encontram os mensaleiros José Dirceu (PT) e Valdemar Costa Neto (PR).

Como nesta segunda-feira é ponto facultativo no DF, a Secretaria de Segurança Pública não havia recebido qualquer documento comunicando a transferência do empresário, cujo a fortuna acumulada é estimada de 33 bilhões de reais. É possível ainda que Estevão tenha que bancar a transferência com dinheiro do próprio bolso, segundo a SAP.

Nesse caso, ele pode vir em um jatinho particular ou mesmo em avião de carreira. “Ainda assim, terá escolta policial e será algemado”, frisa Gomes. A Secretaria de Segurança do DF estuda ainda a chance de ele ser transferido em um jato do Ministério da Justiça.

Veja

Leia Também