João Pessoa, 20 de setembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Ela e os outros

Comentários:
publicado em 17/12/2011 às 08h54

Em todas as recentes pesquisas de opinião pública, o nome da deputada Daniella Ribeiro (PP) aparece como alternativa concreta de poder em Campina Grande. Todas as sondagens indicam competitividade da mais nova herdeira do clã Ribeiro.

Os dois grupos hegemônicos da política local – Vital do Rego e Cunha Lima – acompanham a evolução de Daniella na preferência do eleitorado. Certamente a atenção maior se dá entre os Cunha Lima, que já abraçaram a candidatura de Romero Rodrigues.

No seio venezianista até admite-se Daniella como opção, mas só em último recurso para não perder as eleições. A prioridade, por hora, é alavancar nome do círculo administrativo e da confiança do prefeito Veneziano. Tese que não se pode descartar.

A filha de Enivaldo desponta. Mas até quando? O cenário de hoje pode ser mudado quando 2012 chegar. No sentimento campinense, residem dúvidas entre Romero ou Diogo, mesmo assim os dois aparecem razoavelmente bem.

Já o eleitor do “cabeludo” ainda não recebeu a ordem de comando e não conhece o (a) ungido (a) do prefeito, o que deve acontecer até o final do ano, quando o exército vitorioso de duas eleições renhidas vai ganhar as ruas pela continuidade do projeto.

Depois destas duas definições, aí sim haverá o tira-teima. A popular Daniella Ribeiro terá que reforçar munição para se manter no front quando os dois principais arraiais políticos da cidade se armarem pra guerra. Alvo comum, não terá vida fácil.

Susto
O secretário de Esportes de Campina, Metuselá Agra, tem alta hospitalar hoje. Depois de suspeita de infarto, ele se internou no João XXIII. A suspeita não foi confirmada.

Histórico
Aos amigos, Metuselá confirmou ter passado o dia na secretaria. À noite, foi atender em seu consultório. Por último, comeu camarão e passou a sentir indisposição na garganta.

Mal-estar político
A enfermidade do secretário gerou especulações em Campina. Boatos circularam insinuando suposto bate-boca de Metuselá com a secretária Tatiana Medeiros, que, chateada, teria tomado satisfações pela defesa que o secretário tem feito na imprensa campinense de apoio à deputada Daniela Ribeiro, já no primeiro turno da campanha.

Doutora anestesia especulações
Para estancar os rumores, Tatiana lançou nota no final da tarde de ontem tratando o colega secretário como “grande amigo, pessoa de notável talento e dinamismo e um homem público que tem prestado os melhores serviços à coletividade campinense”.

Intravenosa de elogios
E prosseguiu no rosário de elogios ao ex-titular de sua pasta. “Sem dúvida, ele representa para todos nós um grande e leal amigo, além de ter criado, quando da sua gestão à frente da Saúde, um vasto grupo de amigos, parceiros e admiradores”.

Pressão
Política na Paraíba virou atividade de risco de vida. Primeiro a secretária Iraê Lucena baixou o hospital com infarto. Ontem, Metuselá só se livrou da suspeita após cateterismo.

Na jugular
O governador Ricardo Coutinho não economizou ao ser perguntado mais uma vez sobre as denúncias do empresário Daniel Cosme, da New Life, ouvido anteontem pela Câmara.

Motivações
“O que tem é um picareta agindo por outros interesses que atendem a pessoas conhecidas no mundo político”, ventilou Ricardo, sem apresentar o nome dos beneficiários.

Desocupação
E foi mais além: “O debate mentiroso fica pra oposição, pra aquelas pessoas que não tem mais o que fazer”, desabafou o governador, identificando inspiração política nas denúncias.

Percepção –
Em rápida avaliação de governo, Ricardo disse que a população viu que muitas promessas só viraram realidade na sua gestão. “Isso não ficou mais conhecido por falta de publicidade”.

Pólvora 
Pra quem achava que os debates da Assembléia estavam belicosos demais, vem aí o deputado Mikika Leitão (PSL), que assume vaga temporária no lugar do titular Tião Gomes (PSL).

Castigo
O arcebispo da Paraíba, dom Aldo Pagotto, botou a colher na polêmica da Lei da Palmadinha, aprovada esta semana na Câmara Federal, após muitos debates e contrapontos.

Censura
“Essas pessoas (defensores da Lei) não estão ajudando a educar. Estão só querendo aparecer. Sou a favor dos pais de bom senso poder criar seus filhos”, instigou o religioso.

Sem violência
A psicóloga infantil Roberta Félix ofereceu lúcido contraditório ao arcebispo. “Cada pai, cada família deve escolher a forma de educar seus filhos que não seja através da violência”.

Agressão é agressão
“O castigo precisa gerar consciência e não medo. A violência gera baixa estima e depressão nas crianças”, advertiu a especialista, condenando a ‘escala’ de castigos físicos.

PINGO QUENTE“Isso é pura esquizofrenia”. Do arcebispo Dom Aldo Pagotto ‘excomungando’ os adeptos da educação filial sem o uso das reprimendas que deixam marcas no corpo e nas mentes.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba

Leia Também