João Pessoa, 21 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Terceira via

Comentários:
publicado em 29/12/2011 às 09h23

Pouca gente refletiu à altura o significado da tese levantada pelo vereador Luiz Flávio a respeito de um final feliz para a já desgastante disputa interna por espaços no PSDB, crise que, se não contida, pode apequenar o ninho tucano.

Pela avaliação do edil pessoense, na ausência de consenso entre a permanência de Cícero ou a ascensão de Cássio, a única alternativa colegiada e menos traumática ao partido é costurar um acordo que contemple as aspirações dos dois líderes.

Ponderado e pouco afeito à queda-de-braço, Luiz Flávio aponta o presidente da Assembléia Legislativa, Ricardo Marcelo, como o nome capaz de aglutinar todas as alas tucanas, sem melindrar os conflitantes interesses dos senadores tucanos.

E o discreto vereador tem razão de sobra na sua franca e equilibrada análise. Se Cícero e Cássio não abrem mão do espaço de comando partidário, restaria aos dois a disputa em convenção ou abertura de diálogo sobre uma solução pacífica.

Se decidirem por essa última alternativa, o nome de Ricardo Marcelo realmente ascende. O deputado tem trânsito livre e relação de confiança com os dois caciques do PSDB. Seria, tal qual na Assembléia, um magistrado na presidência tucana.

Os artífices desse conflito terão que ceder, caso estejam dispostos ao acordo. Ricardo Marcelo colaria com a liga do bom senso os estilhaços do cristal partidário quebrado. É fórmula para o confronto no PSDB terminar sem vitoriosos e derrotados.

Fazendeiro
O ex-senador Wilson Santiago (PMDB) visitou esta semana sua Fazenda Agreste, em Uiraúna, onde cria plantel de ovelhas Santa Inês e pretende arrebanhar bois mestiços.

Lições –
Pela via amarga, as eleições de 2010 ensinaram ao ex-governador José Maranhão (PMDB) que o seu adversário foi e é Ricardo Coutinho e não mais Cássio Cunha Lima.

A vez do PT: com Agra
O ex-vereador Júlio Rafael, atual superintendente do Sebrae, anda trabalhando a todo vapor no diretório municipal pela vitória da tese de aliança do PT com o PSB em João Pessoa. Eufórico, Júlio arriscou uma previsão pra lá de otimista. “A nossa tese de aliança com Luciano Agra vai vencer no PT com mais de 70%”.

Senha na ágora
Petistas alinhados à Oposição já começaram a fazer avaliações sobre a postura adotada em 2011. Já há quem advogue um 2012 ancorado numa linha light na Assembléia para abrir portas de acordos ‘programáticos’. Esperam, entretanto, um aceno do governo.

Quem pode, pode
Os resquícios do concurso de 2008 ainda circulam no boca-boca dos corredores do Tribunal de Justiça. Para a região de João Pessoa só haviam cinco vagas reservadas, mas o pacote de nomeações seguiu até contemplar, por coincidência, a filha de um “figurão”.

Resposta
O prefeito Veneziano Vital (PMDB) reagiu às revelações da Revista Politika, que apontou ligações suspeitas do empresário Daniel Cosme com a Prefeitura de Campina Grande.

Transferência
Para o prefeito campinense, a denúncia baseada em documentos e depoimentos de Pietro Félix, ex-sócio de Daniel, é “uma manobra de Agra e Ricardo para denegrir sua imagem”.

Solidariedade
O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) reconheceu ontem que o governador Ricardo Coutinho (PSB) teve o seu primeiro ano de governo marcado por imensas dificuldades na gestão.

Ajuste fiscal
“Infelizmente o governador Ricardo teve que percorrer um caminho que a Paraíba já havia, com muitas dificuldades, percorrido durante o meu governo”, recordou Cunha Lima.

Fumo
Algumas traquinagens graúdas, em vias de chegar às mãos do Ministério Público Estadual, podem causar estragos no projeto de reeleição do prefeito de Caaporã, João Batista.

Rebelião
O vice-prefeito de Campina, José Luiz Júnior, arrancou o nó da garganta e abriu o verbo: não aceita a escolha do candidato do PMDB por pesquisa nessa fase do processo político.

Desigualdade
Zé Luiz defende que a sondagem do PMDB só deve acontecer no mês de junho do próximo ano. “Pesquisa agora é desigual. Os meus concorrentes têm secretarias e evidência”.

Prudência
“Quero direito a igualdade”, reivindicou Zé Luiz. O vice-prefeito invoca discernimento de Veneziano na escolha do nome do PMDB para que o partido não passe decepção na eleição.

Convalescença
De alta do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde ficou internado por conta de um derrame pleural, o ex-governador Ronaldo Cunha Lima passa o reveillon em casa com a família.

Arquivo
Nem mesmo o espírito natalino e de fim de ano amainou o estoque de mágoas da vereadora Raíssa Lacerda (PSD), que considera ter sido desrespeita pelo seu ex-partido, o DEM.

PINGO QUENTE“A laranja podre não sou eu”. Do vereador e presidente do DEM de João Pessoa, Bosquinho, em resposta à ex-colega de partido, Raíssa Lacerda.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba