João Pessoa, 20 de agosto de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Cenário redesenhado

Comentários:
publicado em 05/03/2012 às 19h06
A- A+

De repente, mais que de repente, a prefeitável Tatiana Medeiros passou de “azarona” do tabuleiro eleitoral em Campina para principal e recorrente alvo dos dois mais bem colocados pré-candidatos, Romero Rodrigues (PSDB) e Daniella Ribeiro (PP). Tem alguma coisa no ar, cochichariam os ‘cientistas’ da Praça da Bandeira.

Opositores diriam que a estratégia é natural. Sendo ela a candidata ungida pela máquina municipal, nada mais normal a mira dos adversários no seu desempenho à frente da secretária de Saúde, pasta que lhe credenciou à condição de nome sacramentado pelo PMDB campinense na sucessão do prefeito Veneziano Vital.

Venezianistas juramentados sussurram outra vertente. Tatiana estaria apresentando evolução nos números de pesquisas internas encomendadas por todos os grupos envolvidos na disputa. Assim, os petardos e críticas à política de saúde municipal integram o plano de contenção da “arrancada” da médica.

Pelo sim, pelo não, a verdade é que a doutora, em alguma fase da campanha, seria óbvia e fatalmente fustigada pelos concorrentes. O que provoca certa surpresa é a antecipação dessa artilharia, a cinco meses da convenção de junho. O que se faz sintomático na atual cena campinense.

Afinada
Quem ‘empareda’ a secretária, indagando-a sobre números da Saúde em Campina, feito este colunista, conclui que tem muito adversário subestimando a candidata do PMDB.

Pode surpreender
Pelo desempenho verbal, conhecimento do sistema por dentro e coragem para enfrentar o debate, Tatiana, ao que tudo indica, será osso duro de roer. E pode roer o osso alheio.

Governo e Caixa: investimentos engatilhados
Hoje, às 10h, no Palácio, o governador Ricardo Coutinho assina com a Caixa Econômica contratos que ultrapassam R$ 55 milhões para nove cidades: João Pessoa, Cabedelo, Santa Rita, Serra Branca, Conde, Bayeux, Queimadas e Remígio. Em Campina, o foco será em urbanização e pavimentação do entorno do “Amigão”.

Balanço no PT
Ao final do cadastramento dos filiados aptos (6.134) ao encontro interno do próximo dia 18, as alas do PT apresentam leituras distintas: o grupo da candidatura própria acha que “estourou” as expectativas e que o crescimento de credenciados favorece a tese.

Tese de aliança mostrou mais força
Pelas contas do vice-presidente do PT, Jackson Macedo, a julgar pelo credenciamento encerrado no sábado, a ala que defende a tese de candidatura própria só atingiu 40% do PT. Pelas mãos do próprio Luciano Cartaxo, só foram cadastrados 666 “eleitores”.

Ranking
Do segmento pela candidatura própria, quem mais cadastrou filiados foi o Coletivo Celso Furtado, tendência do presidente estadual Rodrigo Soares, com 728 votantes.

Levantamento
A Esquerda Socialista, de Giucélia Figueiredo e Anastácio, juntou 476, seguida da tendência de Nabal Barreto (396), de Anísio Maia (335) e Adalberto Fulgêncio (226).

Prioridade
O presidente da Comissão do PPS, Bruno Farias, não vai admitir boicote à candidatura de doutor Francisco, em Bayeux, uma das prioridades do partido nas eleições deste ano.

Consenso
Aliás, na sexta-feira, às 13h, no Hotel Ouro Branco, em João Pessoa, o PPS elege a deputada Gilma Germano, presidente estadual do partido. Desta vez consensualmente.

Corpo-a-corpo
Por falar na legenda, o pré-candidato Nonato Bandeira fez a feira ontem em Oitizeiro, onde dialogou com comerciantes e saiu com a sacola cheia de sugestões e idéias.

É possível
Na reunião do Colegiado de Líderes hoje, o presidente Ricardo Marcelo pode decidir retirar da pauta os projetos que exigem maioria qualificada para modificar parecer da CCJ.

Contestação
É que o entendimento a cerca da tramitação legislativa firmado pelo Tribunal de Justiça levou a Mesa da Assembléia, que diverge dessa interpretação, a agravar a decisão.

Volátil
Na votação dos 47 vetos e das MP’s nesta quarta, o governo só conta ao certo com no máximo 20 deputados. O resto depende do varejo, do humor e da conveniência da hora.

Fazendo…
A terceira mudança no ministério da Pesca, em 14 meses, gerou revolta no setor. O deputado Anísio Maia (PT) vai à Brasília se reunir com o ministro Marcelo Crivella.

…Água
A dança dos ministros travou o segmento. “Já está tudo parado há um ano e seis meses. Vou pedir a Crivella que mude pouco para evitar mais prejuízo”, rogou Anísio Maia.

PINGO QUENTE“O bicho vai pegar na quarta-feira”. Do deputado e líder do governo, Hervázio Bezerra (PSDB), prevendo tempestades e muitas trovoadas nos céus da Assembléia.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba

 

Leia Também