João Pessoa, 22 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Olho no PT

Comentários:
publicado em 11/03/2012 às 15h03

Finalizada a polêmica lista dos filiados aptos a votar no encontro interno do dia 18, o PT de João Pessoa agora vive sua contagem regressiva. Cada lado exibe projeções de vitórias a partir de levantamentos internos. Puro esforço retórico para impressionar e pressionar os seus militantes a não entregar o jogo antes do tempo.

Quando disse neste espaço que a definição intra-partidária do PT terá repercussão direta em todo o cenário eleitoral de João Pessoa, houve quem visse nessa observação exagero ou superdimensionamento do tamanho do partido. A questão não é o PIB eleitoral e sim o significado do PT na atual conjuntura.

Leitura compartilhada até pelo experiente e testado senador Cássio Cunha Lima, que admite mudanças no xadrez a partir do rumo a ser tomado pela maioria petista em breve. A vitória do grupo de Luiz Couto é vista pelo PSB como a grande vitamina para a consolidação do nome da pré-candidata girassol Estelizabel Bezerra.

Por outro prisma, se a tese de Luciano Cartaxo for vitoriosa, a incursão do PT no campo de jogo levará os técnicos dos outros times a repensar estratégias. Não que o partido seja a última coca-cola do deserto, mas o selo petista é quase um oásis para o palanque de Ricardo. Por todos esses aspectos, olhos para o PT.

Crença
O presidente estadual do PT, Rodrigo Soares, tem fé na vitória de Luciano Cartaxo. Soares garante que a tese já é majoritária nas direções estadual, nacional e municipal.

Projeção
Pelos cálculos do presidente municipal do PT, Antônio Barbosa, sua tese de manutenção da aliança com o PSB deve vencer com cerca de 250 votos de maioria.

O tamanho de Nonato Bandeira
O dia era da eleição da deputada Gilma Germano na direção estadual do PPS, mas a confirmação da pré-candidatura do jornalista Nonato Bandeira à Prefeitura de João Pessoa roubou a cena do Congresso Estadual da legenda. Pelo o que se viu ontem no Hotel Ouro Branco, Nonato exibe muito mais que vontade de ser candidato.

Liderança interna
O secretário de Comunicação mostrou capacidade de organização, aglutinação e liderança dentro do seu partido na Paraíba e prestígio junto à direção nacional do PPS. Só não foi ou é presidente da legenda por decisão e desprendimento próprios.

O simbolismo da presença –
A fala do prefeito Agra pesou durante o Congresso. O socialista ressaltou as qualidades do “companheiro”, lembrou da fidelidade e participação de Nonato na construção do projeto girassol na Capital e no Estado. “Não poderia deixar de vir aqui”.

Lucidez
Presença no evento do PPS, o senador Cássio Cunha Lima optou pela ponderação. Exortou a base do governador Ricardo Coutinho a extrapolar a “ferramenta do diálogo”.

Nas entrelinhas
Em seu discurso, Nonato Bandeira pegou o mote. “Por mais doloroso que seja, o diálogo precisa ser feito. Exaurimos essa fase de diálogo com todos os partidos”.

Questão de honra
Ao visitar as obras do Centro de Convenções, o governador Ricardo pontuou: “Faremos tudo para concluir essa obra porque ela é estruturante. É sonho e aspiração da Paraíba”.

Questão de justiça
Até àqueles que não engolem Ricardo precisam reconhecer que a decisão de se tocar todas as obras dos antecessores, apesar de obrigação, é uma marca deste governo.

Convocação
Durante o café-da-manhã do Fórum dos Servidores, ontem, o presidente do Sindifisco, Vitor Hugo, conclamou as categorias a protestar contra o “desrespeito do Governo”.

Confiante
“É desespero e a vontade deles. Eu não vou desistir. Deus vai permitir que eu seja prefeito”. Do senador Cícero Lucena sobre a possibilidade de ser enquadrado na Ficha Limpa.

Arritmia 
O coração do deputado Damião Feliciano (PDT) acelera cada vez que ele pensa na eleição proporcional. “Vamos eleger no mínimo quatro vereadores em João Pessoa”.

Petardo
“Numa eleição a ‘sensibilidade’ de certos vereadores aumenta”. Indireta do secretário Lucius Fabianni às críticas da vereadora Raíssa Lacerda (PSD) à atuação da Sedurb.

Sangue
Pro revide da intrépida parlamentar: “Eu não vou me calar porque estou sendo procurada por mães com filhos sangrando. A orientação da Sedurb é pela violência”.

Revoada
O PSDB pode ser o desaguadouro de mais um dissidente do PPS. Depois da vereadora Eliza Virginia, o desgarrado deputado Janduhy Carneiro bate asas para o ninho tucano.

PINGO QUENTE“Ser situação neste Governo é um sofrimento”. Do deputado Luciano Cartaxo (PT), para quem defender a Gestão Ricardo Coutinho é missão quase impossível até entre os deputados da base governista.

Leia Também