João Pessoa, 19 de agosto de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal. Ocupou por três mandatos o cargo de presidente do CRA-PB e de diretor do Conselho Federal de Administração. Diretor Institucional do SINTUR-JP de 1993 a 2016. Consultor em Administração, presentemente exerce as funções de vice-presidente da APCA (Academia Paraibana de Ciência da Administração). Contato: diretorexecutivoaetc@yahoo.com.br

Noivado à antiga

Comentários:
publicado em 25/03/2013 às 14h32
A- A+

 E há noivado à antiga? Ou o noivado, ocorra como ocorrer, é, sempre, um acontecimento que marca o amadurecimento do namoro para,
mediante a colocação das alianças no dedo anelar da mão direita dos noivos, assumir-se o compromisso, um com o outro, para, dentro de algum tempo, realizarem o casamento?

Seja como for, fato é que neste recente sábado, 23 de março, véspera de minhas bodas de rubi com Ana (40 anos), testemunhamos um momento
desses que se denomina “noivado à antiga”! Imagine, leitor(a), estarmos em um salão (claro que presentes só familiares e os amigos mais próximos) e lá na frente postam-se os noivos, ao lado de seus pais, e anunciam que não só o tempo, mas sobretudo o entendimento e o sentimento de ambos lhes dão a convicção de que realmente se amam e que pretendem casar-se. Mas, logo, o noivo foca seu olhar para os pais da noiva e se apressa em dizer: “Se o senhor, seu Jurandir, e a senhora, dona Walquíria, consentirem!”.

Com o “combinado” “sim” dos pais da noiva, os aplausos emocionais foram muitos! Foi grande, mesmo, a emoção tanto dos tantos
jovens quanto dos coroas presentes ao evento!

O Jurandir, já acima citado, é o Guedes de Vasconcelos, que por bom tempo esteve como presidente da CDL de João Pessoa. E Walquíria,
óbvio, é sua dedicada esposa.

E cadê os nomes das personalidades mais importantes desse evento, os noivos?

– Como diriam os colunistas sociais, ele é Roberto Guerra Filho (ou, mais apropriadamente, Robertinho), cujos pais são Roberto – óbvio – e
Auxiliadora Dantas, responsáveis pelo oferecimento à cidade de João Pessoa de uma das mais prestativas lojas de roupas femininas – a Maison
A. E a noiva é Ana Adelaide, claro que filha de Jurandir e Walkquíria.

Que muitos continuem fazendo à moda antiga esses acontecimentos que tanto unem e mais aguçam o sentimento e vivência familiar. E se aqui
estou a dizer que se trata de um evento à antiga, todos entendamos que isto, aqui apontado como antiguidade, não quer dizer fora de moda ou que não
seja moderno. Em outras palavras: a tradição pode nunca deixar de ser moderna. Depende se essa tradição é bonita ou não. Se proporciona alegria
ou não. Se significa amor ou não. E um noivado, especialmente como esse que sábado foi anunciado por Robertinho e Ana Adelaide, significa amor!
E amor, sentimento antigo ou moderno, é coisa de Deus!

Leia Também