João Pessoa, 23 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Prós e contras

Comentários:
publicado em 26/05/2013 às 17h53

O Brasil vive o apogeu da democracia, depois da longa e obscura ditadura militar que cerceou liberdades individuais, calou vozes dissonantes na marra ou na escuridão das covardes torturas e reduziu o sistema partidário à quase nada. Graças a Deus, viramos essa maculada página de nossa história.

Nessa nova quadra, entretanto, sinalizamos pouca maturidade no usufruto da democracia plena. Basta tomarmos como exemplo a proliferação desenfreada, circunstancial e descomprometida de partidos políticos para todos os gostos e figurinos. Um deboche à Nação.

O mais novo na praça é o Partido Republicano da Ordem Social (PROS), que protocolou nessa semana pedido de registro no Tribunal Superior Eleitoral. O presidente da sigla, Eurípedes Junior, coletou e já entregou ao TSE 530 mil assinaturas de apoio validadas em 20 tribunais regionais eleitorais.

O PROS, como a maioria das sublegendas em processo de criação, não tem linha ideológica e programática definida. O próprio presidente, sem qualquer pudor, tranqüiliza e avisa à ‘clientela’ de possíveis candidatos a filiados ao partido: “Não temos dificuldade em questão de coligação”.

A banalização deve preocupar instituições, autoridades e sociedade porque, salvo raras exceções, a maioria desses embriões de partidos está a serviço de métodos pouco republicanos e casuísticos. Além das 30 que já temos, outras 30 legendas pleiteiam registro, tal qual o PROS. E se investigarmos a essência dos pleitos veremos muito mais ‘contras’ do que ‘prós’.

Regional
Na Paraíba, segundo dados da Secretaria Judiciária do TRE, treze partidos estão recolhendo assinaturas de apoio às suas respectivas criações e registros na Justiça Eleitoral, conforme a Resolução nº 23.282/2010.

Piada
Pelas denominações já dá pra se deduzir o caráter jocoso e dispensável de alguns. Partido Pacifista Brasileiro e Partido Carismático Social acrescentariam o quê além de gargalhadas durante a propaganda partidária na TV?

Faro de Cássio
Quando o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) levantou na tribuna do Senado a suspeita de que os boatos do fim do Bolsa Família poderiam ter sido alimentados pelo próprio Governo, houve quem achasse uma precipitação. Agora, a própria Caixa Econômica Federal admite que comandou a antecipação no calendário de depósitos do programa.

Jogada
“Minhas suspeitas estão se confirmando”, disse o senador tucano, para quem desde o começo o esquisito episódio deixou margem de dúvidas sobre a origem dos boatos que levaram usuários de 13 Estados aos caixas.

Atrás do prejuízo
Sem mandato com a ascensão de Carlos Dunga (PTB), o ex-deputado Genival Matias gasta o tempo de folga agora visitando municípios na tentativa de atrair filiações ao seu PT do B e garantir retorno à Assembléia.

Cara feia
Não perguntem ao vereador Fernando Milanez (PMDB) o que ele achou do desmaio da vereadora Raíssa Lacerda (PSD) em plena tribuna da Câmara Municipal durante pesada e acalorada discussão com o peemedebista.

Cartas na mesa
“Se está existindo algum problema ele tem que ser posto na mesa”. Do vereador Bira Pereira (PSB) sobre atropelos na relação do ex-prefeito Luciano Agra e aliados com o comando central da Prefeitura de João Pessoa.

Sacada
O secretário Marcus Alves montou uma equipe de filmagem para acompanhar o prefeito Luciano Cartaxo nas viagens à Brasília. O material abastece as redações de televisão e o petista tem faturado aparições nos telejornais.

Debate
Ao lado dos secretários, Cartaxo abriu ontem pela manhã a 5ª Conferência Municipal de João Pessoa na Estação Cabo Branco. O evento discute até hoje ações e políticas públicas para construção de uma cidade sustentável.

Ao largo
Causou indignação ao segmento agropecuarista paraibano a ausência da classe política do Estado no lançamento do Sertão Empreendedor. O diligente presidente da Faepa, Mário Borba, lamentou a indiferença com o setor.

Jejum
Nos bastidores do evento, produtores e criadores rurais reclamaram que há três anos o Governo do Estado não promove uma exposição de animais para fomentar o setor. Queixam-se da falta de incentivo governamental.

Economia
Dados do Núcleo de Manutenção Cadastral da Secretaria Estadual da Receita: o número de estabelecimentos do setor industrial cresceu 43,7% nos últimos dois anos na Paraíba. Subiu de 7.849 mil para 11.576 mil indústrias.

Superávit
O setor industrial na Paraíba tem crescido, em média, 12% ao ano, bem acima do índice nacional nos últimos anos, aponta o presidente da Fiep, Francisco Buega Gadelha. É o único segmento que tem se mantido superavitário.

PINGO QUENTE“Essa conversa eu vi na eleição passada”. Do prefeito Luciano Cartaxo sobre a tese de que o PT retirará a candidatura ao Governo em nome das alianças e interesses nacionais da legenda.
 

Leia Também