João Pessoa, 14 de dezembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Injeção

Comentários:
publicado em 07/07/2013 às 19h21

Uma coisa é discurso na boca de adversário. Outra coisa são os números reais. Eles não mentem e são eles que mostram: em 2012 a Prefeitura de João Pessoa foi instrumentalizada para ser uma potente máquina de votos. Pelo menos é o que se deduz da recente pesquisa do IBGE com dados do perfil dos servidores municipais.

No ano da eleição em que o então prefeito Luciano Agra rompeu com o governador Ricardo Coutinho para se aliar ao petista e xará Luciano Cartaxo, a folha de pessoal da PMJP abrigou 1.262 novos contratatados, aqueles que não precisam passar por concurso público e geralmente são escolhidos por indicação política e, automaticamente, obrigados a se converter em correligionários.

Em 2011, eles eram 9.258. No ano da eleição, subiram para 10.520 só na administração direta. O crescimento também chegou à folha de comissionados, fermentada com mais 111 novos “colaboradores”. Também engrossaram as fileiras da Prefeitura 203 novos estagiários.

A gestão municipal fechou 2012, ano em que Agra deixou o CAM de Água Fria, sem conseguir conter o desequilíbrio efetivos (11.060) versus contratados (11.764), o segmento que entra no serviço público pelo mérito e, portanto, não precisa dar satisfação das opções políticas no dia das urnas.

Paralelo a isso, os efetivos nomeados na administração direta pelo então prefeito, segundo o IBGE, não passaram de 254. Bem aquém daqueles 1.262 que não gastaram horas de sono e só precisaram da capacidade de ter um bom padrinho. Se 2012 foi um ano que o Ministério Público deve lembrar de cara feia, Luciano Cartaxo, o beneficiário direto, só teve motivos pra sorrir.

Comparativo – Do mesmo porte de João Pessoa, a Prefeitura de Natal (RN) funciona com 14.287. Lá, em 2012, existiam 323 contratados. Número assustadoramente inferior aos 10.520 mantidos pela gestão na Capital paraibana.

Ama de leite – Fortaleza (CE), que há muito tempo passou do seu primeiro milhão de habitantes, só possui 328 servidores sem vínculo permanente. Outros 5.353 são celetistas. Pelos dados, João Pessoa é uma fábrica de ‘temporários’.

Por falar em folha… – O ‘incremento’ de cerca de 60% no número de servidores contratados nos primeiros meses de gestão da prefeita Tatiana Correia (PT do B), no Conde, mereceram repúdio do presidente da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco, referência nacional no monitoramento de gastos públicos. “Na maior parte das vezes, isso é só para acomodar os aliados dos prefeitos e as contas são pagas pela sociedade”, lamentou.

Exoneração – Em 2012, Suellen Marrocos rompeu com a tia, a vereadora Sandra Marrocos (PSB), para seguir Agra e se engajar na campanha de Luciano Cartaxo. Ontem, a coordenadora do Cerimonial da PMJP foi dispensada.

Descartável – Chamada pelo chefe de Gabinete, Zennedy Bezerra, Suellen teve que ouvir um curto e seco anúncio de demissão acrescido de uma singela explicação: “Não é nada contra seu trabalho. Estou apenas cumprindo ordens”.

Desagravo -“O desembargador Luis Sílvio Ramalho Júnior é um homem que honra e engrandece a magistratura paraibana”. Frase do desembargador José Ricardo Porto, proferida na sessão de ontem do Tribunal de Justiça da Paraíba.

Multiplicação – O TJ da Paraíba reduziu de R$ 323 mil para R$ 10 mil uma pena aplicada pela 5ª Vara de Campina Grande contra o Banco Schahin/SA. Detalhe do caso: o dinheiro da astreinte já havia sido liberado pelo magistrado.

Nostalgia – Com pagamentos a receber, fornecedores de Queimadas andam sentindo saudades de Carlinhos de Tião (PSC). O ex-prefeito, que tem um irmão (Doda) deputado estadual, cogita disputar uma vaga na Câmara Federal.

Subsídio – O ex-senador Wilson Santiago, presidente do PTB, diz que os seminários programados pelo partido vão servir para “conhecer a real situação do Estado, o acúmulo de problemas da Paraíba e construir um projeto”.

Fora de sintonia – Lembrando pelo tal ‘blocão’, Santiago acentua que “o Governo avançou em pontos estratégicos (estradas, habitação, hospitais)” Um discurso totalmente diferente do apregoado pelo segmento PT/PSC e PP.

Indefinida – Até o fechamento desta edição, não estava confirmada a esperada audiência entre Luciano Cartaxo e o governador Ricardo Coutinho pra hoje. Foi o que informou o secretário da Casa Civil, Lúcio Flávio.

Denúncia – O Sindicato dos Agentes Penitenciários acusou ontem o secretário da Administração Penitenciária, Válber Virgolino, de “fazer vistas grossas” as “perseguições” de diretores de presídios contra integrantes da categoria.

Vampiro – O prefeito de Capim, Edvaldo Freire, troca o dia pela noite no dizer da oposição. Atarefado em João Pessoa, onde mora, Freire só vai de vez em quando à cidade. E quando vai, chega na Prefeitura após às 20h.

PINGO QUENTE – “Eu sou um dos poucos que trabalho”.Do secretário de Administração de Capim, Daniel Dutra, defendendo o prefeito, mas deixando escapar que os colegas pouco ou nada fazem.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba, edição do dia 05/07/2013 (sexta-feira)

Leia Também