João Pessoa, 28 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 01:09 - 0.4 | 07:34 - 2.4 | 13:49 - 0.4 | 20:04 - 2.2 Dólar 3,30 - Euro 3,75

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Amnésia

Comentários:
publicado em 12/07/2013 às 16h04
A- A+

Que me perdoe o deputado Vituriano de Abreu, mas o nobre edil perdeu uma excelente oportunidade de fechar a boca ao criticar, mais uma vez, o valioso instrumento do Orçamento Democrático, meio que a atual gestão disponibiliza para captar, na fonte do povo, as maiores necessidades de cada região do Estado.

Difícil acreditar que no tempo em que a cidadania pede passagem, clama por espaço e tribuna para ser ouvida pelos seus representantes, um representante desse mesmo povo ouse usar a energia do mandato para fragilizar e desqualificar um mecanismo pelo qual paraibanos podem, de igual pra igual, olhar na cara de governador e secretários e verbalizar sem medo angústias e anseios.

Para Vituriano, o Orçamento Democrático nada tem de democrático e, portanto, é uma farsa, a julgar pelo o que parlamentar declarou ao Portal Diário do Sertão, de Cajazeiras. Na cabeça de Vituriano, o O.D, como é abreviadamente chamado, é mera estratégia para minimizar o poder de fogo dos deputados nos municípios.

Pelo o que se infere da manifestação do parlamentar, o meio mais justo e democrático é o governante decidir obras e convênios diretamente com prefeitos levados pelos deputados no ar-refrigerado do Palácio ou da Granja Santana. Sem plenárias, comunidade e conselheiros que ofusquem o papel dos atravessadores oficiais.

Preso a um passado que as ruas insistem em sepultar, o deputado, infelizmente, fala em nome da imensa parcela da classe política resistente ao inevitável ‘empodeiramento’ das massas. Um incômodo que desnorteia ao ponto de fazer Vituriano perder a memória e passar o vexame de atirar contra algo que o próprio filho, Léo, copiou quando prefeito de Cajazeiras.

Pensando… – 
Com a Assembléia em recesso legislativo, o presidente da Casa, Ricardo Marcelo (PEN), dedica-se a intensificar contatos e pesadas articulações políticas. Engana-se quem pensa que ele anda acomodado.

…Grande – 
Econômico nas palavras, Marcelo tem refletido sobre os fenômenos das ruas das últimas semanas. Acha que o paraibano pode surpreender em 2014. Por isso, prepara o PEN para os novos cenários que se desenham.

RC e Secom: falta combinar os textos – 
Dias atrás, o governador Ricardo Coutinho criticou a escolha das bandas de apelo popular no São João de João Pessoa. Por isso, a surpresa de quem leu release distribuído pela SecomPB tratando Magníficos, Encantus, Cavalo de Pau, que tocaram em Belém, entre “as principais atrações do forró” e “grandes shows”. A não ser que o conceito varia de acordo com quem promove a festa: aliado ou adversário.

Se inteirando – 
No primeiro dia como prefeito interino de Campina Grande, Ronaldo Filho (PSDB) convocou os secretários de Finanças e Administração e manteve demorada reunião com a equipe econômica do governo municipal.

Viagem – 
À noite, Ronaldinho embarcou para Brasília. Na capital federal, o tucano manterá audiência hoje no Ministério da Saúde. Ele fica no cargo durante os próximos 15 dias, período da licença de Romero Rodrigues.

Adeus – 
Conforme a Coluna antecipou, o deputado Doda de Tião bateu o martelo e deixará o PPL, partido recém-criado e que, por essa condição, lhe livrou da pena por infidelidade partidária ao PMDB, para se filiar ao PTB.

Ciente – 
A decisão já é do conhecimento da direção do PPL na Paraíba. “Tivemos uma conversa muito franca e ele disse que estava pra sair do partido até setembro”, confessou o presidente estadual do partido, Eugênio Falcão.

Passe livre – 
Diferente do PMDB, que acionou o deputado na Justiça Eleitoral, com o PPL Doda não terá dores de cabeça. “Infelizmente a gente não pode segurar ninguém. Ele não foi votado pelo partido e não terá problema conosco”.

Igual a todos – 
O senador Cássio Cunha Lima se submeteu ontem ao cadastramento biométrico e chamou atenção. Alertado por servidores do TRE sobre sua prioridade no atendimento, ele agradeceu, mas preferiu respeitar a fila.

Cedendo – 
Em maio, o prefeito Luciano Cartaxo (PT) vetou projeto de lei que reduzia de 40 para 30 horas a jornada dos enfermeiros. Ontem, após solenidade com Dilma em Brasília, o petista marcou a data da redução: 1º de agosto.

Antes tarde… – 
Autor do projeto, o vereador Djanilson da Fonseca (PPS) relevou o constrangimento do veto e comemorou: “Eu recebo essa notícia com alegria muito grande. Era uma luta enorme da categoria que o prefeito atendeu”.

Pressa – O presidente da Câmara de Campina Grande, Nelson Gomes (PRP), admitiu convocação de sessão extra-ordinária para votação do projeto de Lei do passe livre para estudantes da rede municipal de ensino.

Relação – 
“A maioria dos homicídios está vinculada de forma direta ou indireta com o tráfico de drogas”, registrou o secretário Cláudio Lima, durante coletiva em que a Polícia anunciou a apreensão de 20 quilos de cocaína.

PINGO QUENTE – “Na política, nunca se decide pelo coração”. Do ex-senador Wilson Santiago (PTB), num de seus excessos de sinceridade, dizendo que pode apoiar quem seu “fígado” escolher em 2014.

*Reprodução do Jornal Correio da Paraíba, edição de 09/07/2013 (terça)

Leia Também