João Pessoa, 26 de maio de 2017 | --ºC / --ºC 04:30 - 2.6 | 10:41 - 0.0 | 16:58 - 2.6 | 23:00 - 0.1 Dólar 3,26 - Euro 3,64

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Plano C

Comentários:
publicado em 03/09/2013 às 17h12
A- A+

Político que se preza não fica refém de um plano. Na manga, é sempre previdente guardar outras cartas. E isso os tucanos defensores do fim da aliança com o governador Ricardo Coutinho estão fazendo, antecipadamente, em caso da tese de postulação de Cássio Cunha Lima não vingar, por conveniência pessoal do senador ou inviabilidade jurídica.

A olho nu, o PSDB paraibano só tem dois caminhos: lançar candidatura própria com Cássio na cabeça ou renovar a parceria vitoriosa de 2010 com o PSB. Essas são as correntes em debate no público. Só que no privado há uma terceira estratégia de sobrevivência trabalhada pela ala cicerista para anular a segunda hipótese.

Se Cássio não for candidato, Cícero vai pregar junto à direção nacional do PSDB o direito natural de disputar a reeleição sem ser obrigado a subir no palanque e votar em Ricardo Coutinho, seu desafeto político e pessoal de longas datas. E o que quer o ‘caboclinho’? A liberdade de poder fazer, nesse cenário, uma composição com Veneziano Vital e o PMDB, garantindo a vaga de senador na chapa para ele próprio.

Se o mesmo espaço o PSDB pode ter na chapa com Ricardo, qual argumento Cícero conta para sensibilizar a cúpula nacional? O precedente de 2010, quando declinou de sua candidatura e recebeu como consolo uma das coordenadorias da campanha de Serra à Presidência da República.

Sem candidatura própria ao governo, Lucena cobrará do colega senador e do partido a mesma cota de sacrifício. Por esse ângulo e desejo, Cássio poderia até não disputar, iria igualmente para a coordenação da campanha de Aécio, mas retribuiria a Cícero o direito de conduzir a aliança tucana da sua conveniência, tal qual o clã Cunha Lima pôde fazer em 2010. Seria a lei da reciprocidade.

*Artigo publicado na coluna do Correio da Paraíba, edição do dia 03/09/2013 (terça-feira).
 

Leia Também

error: Conteúdo protegido!