João Pessoa, 23 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Se preciso for…

Comentários:
publicado em 15/09/2013 às 16h14

Quem conhece Ricardo Coutinho sabe que ele nunca foi de quedar diante de tempestades. É da sua natureza remar contra a maré. A biografia e a história das suas últimas disputas mostram isso. E em 2014, o governador pode encarar mais um desses desafios, em caso de um especulado rompimento com o senador Cássio Cunha Lima.

O tema, por si só, é indigesto, mas Ricardo não se furtou a enfrentá-lo ontem em entrevista à imprensa pessoense. Como já havia feito mais discretamente em discurso, se disse preparado para encarar qualquer cenário, inclusive o que o parceiro de 2010 possa figurar como um dos seus adversários, apesar de não trabalhar com essa hipótese.

Na sua fala, o governador foi didático e começou lembrando as dificuldades para vencer, quase heroicamente, uma eleição em que pesquisas, mídia e aporte financeiros favoreciam a vitória do adversário. Para tanto, trocou um mandato de prefeito da Capital pela aventura de um pleito ‘perdido’. Foi o mesmo que dizer: coragem não lhe falta.

Os resultados do seu governo, frisa Ricardo, lhe dão confiança para acreditar no reconhecimento da população quando outubro de 2014 chegar, independente dos atores políticos que protagonizem a cena do próximo ano. E o crucial: reforçou que ele e Cássio foram produtos de uma só chapa, de um só discurso, e governam juntos.

Nuanças sagazmente elencadas para provocar um inevitável questionamento: a ruptura de uma aliança que venceu e que governa o Estado há quase três anos carece muito além do desejo unilateral. Do contrário, causaria surpresa, seria casuística e de difícil explicação no dizer do governador, que se repetiu no aceno à renovação da parceria até 2018.

Para um tema tão medonho, o socialista exorcizou o assunto desassombradamente, em plena sexta-feira 13. E sem superstições…
 

*Artigo publicado na coluna do Correio da Paraíba, edição do dia 14/09/2013 (sábado)

Leia Também