João Pessoa, 23 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Pregação

Comentários:
publicado em 17/09/2013 às 15h22

A Paraíba não acertará o passo enquanto seus gestores, representantes, entidades sociais e setores produtivos não tiverem o desprendimento de construírem, juntos e a várias mãos, um projeto de desenvolvimento cujas diretrizes virem regras sagradas para os governos que se sucedam no poder.

É o que a Coluna vem defendendo exaustivamente. Um pensamento que se coaduna com a pregação repetitiva do ministro Aguinaldo Ribeiro no deserto de tanta mesquinharia e mediocridade na nossa tacanha prática de carimbar DNA de ações e obras e impedir a sequência de projetos que poderiam fazer muito bem ao nosso povo.

Sempre que pisa em solo paraibano, Aguinaldo, tal qual um João Batista, reitera sua exortação que chega a ganhar tom de provocação diante da indiferença da maioria da classe política. A Paraíba só vai pra frente se souber, unificadamente, onde e quando quer chegar e investir, independente de quem esteja no centro das decisões.

No atual governo, Ricardo Coutinho tem feito em razoável medida sua parte. Ao invés de ignorar as tratativas dos antecessores, deu continuidade a dois projetos vitais: o programa rodoviário e a construção do esperado Centro de Convenções com o destravamento do Pólo Turístico do Cabo Branco, que remonta à década de 80.

O que nos falta é a deflagração de um grande debate da sociedade e agente políticos de todas as correntes no planejamento de uma política de Estado, um traçado que oriente as rotas dos próximos governos e que permita aos paraibanos defendê-lo de eventuais descaminhos movidos pela histórica personalização que tanto mal nos faz.

Pobre e há tempos vendo a banda do Nordeste passar, a Paraíba não pode mais se dá ao desfrute de pagar o preço e a alta conta dos projetos partidários e vaidades individuais. Com a força de seu povo e a unidade dos homens públicos, é possível recuperar o tempo perdido. Esse é o único caminho e a verdade para uma nova vida.

*Reprodução de artigo publicado na coluna do Correio da Paraíba, edição do dia 15/09/2013 (domingo).
 

Leia Também