João Pessoa, 27 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 00:23 - 0.3 | 06:43 - 2.5 | 12:58 - 0.2 | 19:15 - 2.3 Dólar 3,30 - Euro 3,69

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Saia justa

Comentários:
publicado em 02/10/2013 às 12h27
A- A+

Foi seríssima a denúncia verbalizada pelo deputado Luiz Couto do alto da imponente tribuna da Câmara Federal. Como se sabe e a imprensa explorou ontem, o petista denunciou uma trama para tirar a sua e a vida da ouvidora Valdênia Paulino. Dinheiro para pagamento dos pistoleiros teria sido transportado por um agente numa viatura da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado. Coisa de arrepiar.

O parlamentar citou textualmente o serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública como a origem oficial do alerta aos agentes da Polícia Federal, responsáveis por sua segurança pessoal, sobre o macabro plano de execução e até a identidade do autor da encomenda do crime, o ex-policial Luiz Quintino.

Luiz Couto envolveu o governo duplamente. Primeiro, por colocar em xeque a credibilidade e honorabilidade do secretário Walber Virgolino, destacado auxiliar da gestão socialista, insinuando conivência ou omissão no suposto uso de um carro oficial para a ventilada operação fora-da-lei. Segundo, por expor a Secretaria de Segurança Pública como fonte da denúncia.

As graves insinuações obrigaram o governo, por meio da Secretaria de Comunicação, a publicar nota. A Secom negou a informação envolvendo a Secretaria de Segurança. Como era de se esperar, anunciou que a Administração Penitenciária abriu sindicância para apurar o denunciado uso de viatura da pasta.

Se a pesada denúncia criou ambiente extremamente desconfortável ao governo, por razões mais do que óbvias, a serena e enérgica posição oficial do Estado, por outro lado, também deixou o parlamentar de calças muito curtas, porque desmentiu e desconstruiu parte de sua versão. Só numa consulta celestial será possível desvendar quem, no confessionário, vestiu a saia mais justa: o governo ou o padre?

*Artigo publicado na coluna do Correio, edição do dia 02/10/2013 (quarta-feira).

Leia Também