João Pessoa, 21 de novembro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Baixando as calças

Comentários:
publicado em 27/03/2014 às 16h24

Durou menos de 24 horas a postura altiva manifesta em nota pelo diretório municipal do PPS sobre a crise instalada na relação com o prefeito Luciano Cartaxo. Chamados à conversa pé-de-ouvido com o chefe de Gabinete, Zennedy Bezerra, os três vereadores do partido (Bruno Farias, Djanilson da Fonseca e Marco Antônio) não resistiram ao primeiro sinal.

De pronto, aceitaram a proposta – que ainda não se sabe ao certo em quais termos – e, imediatamente, soltaram nota em nome do partido flexibilizando a posição, sob a alegação de que ouviram da gestão a promessa de preservação dos espaços do partido e compromisso com pontos sugeridos ao programa de governo.

Erraram. Negociaram e decidiram atabalhoadamente sem levar o tema para apreciação e crivo do diretório municipal, como democraticamente fizeram um dia antes ao colocarem os cargos à disposição após a desfeita da demissão do seu indicado (Ronaldo Guerra) à gestão. Ficou a impressão de barganha miúda.

Não deixaram nem a poeira baixar. Não se deram ao trabalho de esperar um cenário de pacificação e aceno pessoal de Luciano Cartaxo, que bateu o pé e cumpriu o prometido: não voltou a conversar com o PPS, como instância. Nem precisou. Um recado, via chefia de Gabinete, foi o suficiente para amolecer quem um dia atrás tinha engrossado o pescoço e exigido respeito.

Ficou ruim para a imagem do partido. Ótimo para a articulação do prefeito. Ontem, ela se redimiu dos erros e soube dar a volta por cima, sem precisar muitos esforços, gestos públicos e nem ao menos uma nota. Descobriu na negociação com o PPS que pode resolver conflitos no varejo porque dispõe de remédio eficaz e barato para amansar a valentia de quem se levante em defesa de sua autonomia e dignidade.

Cartaxo sai grande do confronto. O PPS de cabeça baixa.

*Artigo publicado na coluna do jornalista no Correio da Paraíba, edição do dia 27/03/2014
 

Leia Também