João Pessoa, 26 de junho de 2017 | --ºC / --ºC 05:56 - 2.6 | 12:09 - 0.1 | 18:28 - 2.4 Dólar 3,33 - Euro 3,74

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

PT e PMDB

Comentários:
publicado em 01/04/2014 às 16h52
A- A+

Se nenhum fato extraordinário acontecer até este próximo dia 12, o PT da Paraíba deve se decidir por aliança com o PMDB já no primeiro turno, seguindo a orientação do comando nacional na política de compensação e reciprocidade prometida aos peemedebistas para estancar a crise entre as legendas em Brasília.

Apesar de ainda não admitida claramente pelos seus líderes, a questão interna agora se dará apenas em torno do debate da indicação para composição na chapa do ex-prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital. A ala majoritária do PT, liderada pelo prefeito Luciano Cartaxo, não abre mão de ficar com a vaga de senador.

A preferência é da ex-deputada Nadja Palitot, até aqui pré-candidata a governadora pelo PT. Para esse grupo, emplacar Nadja seria uma questão de justiça com a advogada pela coragem de emprestar seu nome para a pré-campanha. Como se sabe, Lucélio Cartaxo, irmão do prefeito, está escalado para deputado federal e não recua.

E pelo o que a Coluna apurou, o PT não encontrará resistência da parte de Veneziano. Ele tem consciência da necessidade de agregar o PT à sua chapa, a começar pelo precioso tempo de guia eleitoral do partido e por entender que a adesão da legenda à sua candidatura é o fato novo que tanto aguarda para vitaminar suas pretensões.

Em que pese considerar o ex-senador Wilson Santiago como o senador ideal da chapa, o núcleo pensante de Veneziano não perderá tempo questionando a viabilidade da indicação do PT. A ordem no bunker venezianista é sair da estagnação e, com a estrela de Lula no peito, correr atrás do prejuízo da visível polarização Cássio/Ricardo.

Já o PT vê na aliança o preço da política nacional do partido a ser paga pelas direções de alguns estados, entre os quais a Paraíba, e não o seu sonho de consumo. A pergunta é: qual efeito prático terá uma composição em que ambos os lados vão engolir sapos pela força da circunstância?

*Artigo publicado no Correio da Paraíba, edição do dia 01/04/2014 (terça-feira)