João Pessoa, 23 de maio de 2017 | --ºC / --ºC 02:06 - 2.3 | 08:13 - 0.3 | 14:26 - 2.4 | 20:38 - 0.2 Dólar 3,26 - Euro 3,65

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Ação e reação

Comentários:
publicado em 15/04/2014 às 18h01
A- A+

Segundo a física, para toda interação que um corpo aplica sobre o outro provocará uma força de mesma direção, intensidade e sentido oposto. No caso da crise entre PT e PMDB da Paraíba, a teoria se aplica bem as ações e reações das duas legendas na guerra fria estabelecida nessa pré-campanha.

O PT reluta e resiste o quanto pode a celebrar uma aliança pacífica com os peemedebistas, apesar da deliberação nacional neste sentido. No fim de semana, como todos sabem, os petistas retiraram a candidatura própria, priorizarão agora a discussão para o Senado, mas adiaram o fechamento da coligação.

O PMDB entendeu bem a estratégia: o PT sabe que tem que ceder, mas esticará essa definição ao máximo, usando da legitimidade partidária para causar desgastes à pré-candidatura de Veneziano Vital, com quem o partido pode até formalmente se aliar e entregar seu tempo de guia eleitoral, porém sem vestir a camisa.

O senador Vital do Rêgo já captou todos os movimentos. Polido e talhado, não vai entrar no jogo e passar recibo, entretanto, deixou escapar ontem, em outras palavras, que o PMDB não ficará a reboque e nem esperará em berço esplêndido que o PT, enfim, discuta um nome e empurre de goela a dentro na vaga de senador.

O PMDB aprofundará o diálogo com outras legendas da base de Dilma. Quis dizer, em boa tradução, que se não se apressar é o PT quem ficará sem espaço na chapa majoritária, o que talvez no fundo os petistas prefiram como oportunidade de evitar a vinculação direta e a conseqüente obrigação de envolvimento na campanha.

Na prática, essa aliança se resumirá aos preciosos minutos no guia eleitoral. É tudo que o PT admite dar. E a esta altura, ciente das forças contrárias, é tudo que o PMDB mais quer receber. É a terceira lei de Newton vigorando nessa queda de braço.
 

*Artigo publicado na coluna do jornalista no Correio da Paraíba, edição do dia 15/04/2014 (terça-feira).