João Pessoa, 17 de janeiro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
SANTA RITA

Secretário afirma que verba ‘sumiu’ e que Reginaldo Pereira não pagará 13º Salário

Comentários:
publicado em 22/12/2014 às 10h44

Novo secretário de Comunicação de Santa Rita, Carlinhos do Adesivo disse, na manhã desta segunda-feira, que a Prefeitura de Santa Rita não tem dinheiro para pagar o 13º. “Somente a folha dos servidores de Educação dá R$ 3,5 milhões. A Prefeitura tem R$ 2,7 milhões. O saldo da Prefeitura não dá para pagar nem 10% dos efetivos”, afirmou Carlinhos.

O secretário destacou – em entrevista à 98 FM – que Reginaldo Pereira, por um ano e três meses em que esteve à frente da Prefeitura de Santa Rita, pagou em dia os salários dos servidores, inclusive o 13º. Ele falou, ainda, que o setor jurídico vai avaliar licitações aprovadas na gestão do ex-prefeito Netinho e a atual gestão dará continuidade às obras que estiverem regulares.

Na manhã desta segunda-feira, o prefeito Reginaldo Pereira fará o anúncio da nova equipe de secretários. Carlinhos do Adesivo já foi confirmado como secretário de Comunicação. Conforme Carlinhos do Adesivo, Reginaldo também apresentará um balanço da situação financeira da Prefeitura.

Semana passada, o Tribunal de Justiça da Paraíba concedeu liminar para Reginaldo Pereira retomar o mandato de prefeito. A liminar foi outorgada pelo juiz Aluizio Bezerra.

No despacho, o juiz determina o retorno de Reginaldo até a decisão definitiva do processo que está sob batalha judicial.

A Câmara de Vereadores deu posse ao prefeito na noite da quinta. Na tarde da última terça-feira (16), o parlamento municipal reempossou Reginaldo Pereira após anular pela manhã quatro processos de cassação aprovados na Casa.

O retorno do prefeito durou pouco tempo. No mesmo dia, uma liminar determinou que Netinho de Várzea Nova, eleito vice de Reginaldo, retomasse o mandato.

Em março deste ano, os vereadores de Santa Rita haviam decidido cassar o mandato de Reginaldo Pereira alegando que o prefeito teria cometido nepotismo, fraudes em licitações e contratações irregulares.

Jãmarrí Nogueira – MaisPB

Leia Também