João Pessoa, 01 de maio de 2017 | --ºC / --ºC 01:43 - 0.5 | 08:06 - 2.3 | 14:26 - 0.5 | 20:49 - 2.1 $ Dólar 3,17 - € Euro 3,46

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Ebulição

Comentários:
24/06/2014 às 11h23
A- A+

Há uma semana, a Coluna trouxe dados de bastidores da construção deflagrada pelo governador Ricardo Coutinho com articulação para uma grande aliança com as duas maiores forças da oposição: o PMDB e o PT. Sete dias depois, os dois partidos até tentaram dissipar publicamente o tema, mas nos bastidores a costura só avança.

Desse final de semana pra cá, as conversas se intensificaram. PMDB e PT, separadamente, ampliaram o diálogo com Ricardo sob a hipótese do cenário de retirada da candidatura de Veneziano Vital, que daria garantias do palanque da presidente Dilma Roussef na Paraíba.

É bem verdade que Veneziano pessoalmente resiste até as últimas forças. No íntimo, gostaria de levar a postulação até as convenções e daí pra frente buscar fôlego para vencer a evidente e avassaladora polarização entre Ricardo e Cássio, o maior adversário do ex-prefeito nesse instante.

Enquanto PMDB e PT entram no isolamento sem praticamente mais nenhuma outra legenda de peso referendando esse projeto, o governador precisa urgentemente criar um fato político capaz de diminuir o favoritismo de Cássio, catalisador das adesões mais impactantes dessa fase. É a união da fome com a vontade de comer.

Se diante de toda essa maré desfavorável Veneziano jogar a toalha, PMDB e PT não terão, de fato, outro caminho a não ser a aliança com o governador Ricardo Coutinho, a quem fizeram dura e combativa oposição administrativa e política, durante três anos ininterruptos.

O passado obriga os dois a ensaiar novo discurso que justifique o movimento. O governador, por sua vez, não terá problema com a opinião pública. Ao aderirem, PMDB e PT é que estarão dando o braço a torcer e dizendo, nas entrelinhas, que Ricardo é quem estava certo. Nada de anormal. Na política da Paraíba, o errado é perder.
 

*Artigo publicado na coluna do jornalista no Correio da Paraíba, edição do dia 24/06/2014 (terça-feira).

Leia Também