João Pessoa, 23 de outubro de 2017 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora

Jornalista desde 2007 pela UFPB. Filho de Marizópolis, Sertão da Paraíba. Colunista, apresentador de rádio e TV. Contato com a Coluna: heroncid@gmail.com

Aquela nuvem

Comentários:
publicado em 25/06/2014 às 16h43

A nuvem – que muda a cada minuto – nunca foi o elemento mais simbólico para representar a velocidade dos acontecimentos políticos como nesses últimos dias na Paraíba. A cada hora, os fatos ganham novos contornos e articulações dissipam moldes de cenários como a paisagem do céu se transforma de instante em instante.

Boa parte do PMDB paraibano chegou bem perto de topar aliança com o PSB, além de analisar proposta de composição do PSDB, mas a retirada de candidatura tem obstáculos a vencer. O senador Vital do Rêgo não aceita acordo que não passe pelo seu crivo e o comando nacional do PT quer candidatura e palanque pra Dilma.

Foi isso que Vital e o deputado Ruy Falcão, presidente nacional do PT, teriam tratado ontem à tarde em reunião em Brasília. O enfraquecimento nítido da candidatura de Dilma, com perdas de pontos nas pesquisas e de partidos no arco de aliados, leva o PT nacional a fazer tudo por ela, a ordem de prioridade número 1.

No paralelo, um grupo do PMDB – formado por quatro deputados – se preparava ontem à tarde para reagir à suposta engenharia deflagrada pelo clã Vital na direção do governador Ricardo Coutinho. “Estão vendendo a boiada, mas não vão entregar os bois”, alertou deputado do PMDB em contato com o colunista.

Esse grupo estaria se sentindo enganado nas tratativas dos bastidores e prometia abrir dissidência em apoio à candidatura do senador Cássio Cunha Lima, caso o conchavo com Ricardo fosse consumado de forma isolada e sorrateira. Além disso, se mexia para impedir o endosso do ex-governador José Maranhão.

Pelo volume de informações, até o fechamento desta Coluna era impossível ou imprudente um veredicto preciso sobre o destino do PMDB nessa reta final das convenções. Nunca o partido esteve tão rachado na Paraíba. Nem no emblemático 1998. Lá, a legenda se dividiu em duas bandas. Agora, partiu, em três.
 

*Artigo publicado na coluna do jornalista no Correio da Paraíba, edição do dia 25/06/2014 (quarta-feira).