João Pessoa, 26 de dezembro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
Muro na Fronteira

Democratas acusam Trump de afundar EUA ‘no caos’

Comentários:
publicado em 26/12/2018 às 15h36
AFP / Eric BARADAT

Os democratas acusaram nesta segunda-feira (24) o presidente americano, Donald Trump, de afundar o país “no caos”, em meio à paralisação do governo por uma disputa orçamentária motivada pela construção de um muro na fronteira com o México, a saída do secretário da Defesa e uma forte queda na bolsa.

Desde a meia-noite de sexta-feira, o governo americano está em paralisação parcial orçamentária, devido à falta de um acordo entre o Congresso e a Casa Branca, o que afeta centenas de milhares de funcionários e mantém fechados alguns serviços federais.

O eixo desta disputa é a exigência de Trump de financiar a construção de um muro na fronteira dos Estados Unidos com o México, que tem um custo de 5 bilhões de dólares.

“É véspera de Natal e o presidente está afundando o país no caos”, lamentaram, em um comunicado, a líder dos democratas na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, e o líder da bancada no Senado, Chuck Schumer.

Os democratas se negam a votar o projeto e propõem destinar 1,3 bilhão de dólares para melhorar o sistema de vigilância fronteiriça.

“O mercado bursátil está desabando e o presidente está embarcado em uma guerra pessoal contra o Federal Reserve, logo depois de ter demitido o secretário da Defesa”, lamentaram em um comunicado os principais líderes democratas do Congresso em alusão ao fechamento em Wall Street, que terminou com perdas de 2,91% no Dow Jones e de 2,21% no Nasdaq.

Trump, que adiou suas férias na Flórida devido às negociações, defendeu sua estratégia no Twitter.

“Estou sozinho (pobre de mim) na Casa Branca, esperando que os democratas voltem e consigam um acordo imperativamente necessário para a segurança fronteiriça”, postou, ironicamente, em alusão aos artigos da imprensa que mencionaram as dificuldades de seu governo após uma série de deserções, entre elas a do secretário da Defesa.

Jim Mattis anunciou na semana passada sua renúncia como titular do Departamento de Defesa, alegando divergências com Trump.

A princípio, Mattis tinha deixado uma margem de dois meses para sua saída, mas os detalhes de sua carta de renúncia levaram Trump a acelerar a substituição, anunciando que a partir de 1º de janeiro, ele será substituído por seu adjunto, Patrick Shanahan.

As negociações sobre o orçamento federal, suspensas no sábado, devem ser retomadas em 27 de dezembro, já que os legisladores estão de volta a seus distritos por causa do Natal.

No entanto, é muito provável que a paralisação dure mais tempo e que o problema passe para o novo Congresso, que assumirá em 3 de janeiro, quando os democratas vão recuperar o controle da Câmara de Representantes, após sua vitória eleitoral em novembro. Os republicanos, enquanto isso, vão manter a maioria no Senado, o que antecipa negociações difíceis.

– “Esperamos que isto termine logo” –

A paralisação afeta importantes serviços, como a Polícia Federal (FBI), os departamentos de Segurança Interior – que gerencia a segurança fronteiriça -, de Transportes e do Tesouro. Também são afetados os parques nacionais, muito visitados nas férias, como o Grand Canyon.

A paralisia também afetou o Mall, a imensa explanada verde no coração de Washington, onde fica a Árvore Nacional de Natal, ladeada por outros 50 pinheiros que representam os estados do país.

A árvore esteve apagada por três dias, mas na véspera do Natal, uma organização beneficente permitiu que as luzes pudessem brilhar no Natal.

A paralisação surpreendeu muitos turistas.

Andrea Leoncini e sua esposa, Roberta, viajaram de Roma aos Estados Unidos para passar a lua de mel, que ficou prejudicada devido ao shutdown.

Eles não conseguiram visitar o edifício onde foi assinada a Declaração de Independência e a Constituição na Filadélfia.

A estátua da Liberdade permanecia aberta ao público graças ao financiamento de suas operações pelo estado de Nova York.

Este é o terceiro ‘shutdown’ orçamentário do ano, depois dos ocorridos em janeiro (durante três dias) e fevereiro (poucas horas), também devido a uma disputa pelo tema migratório. A paralisação anterior, em outubro de 2013, durou 16 dias, longe do recorde de 21 dias de 1995-96.

No entanto, com relação a paralisações anteriores, a urgência é menos palpável, pois neste casp só afeta 25% da administração, com 75% do orçamento já aprovado.

AFP

Certificado digital mais barato para advogados e contadores Clique e saiba como adquirir

Leia Também