João Pessoa, 23 de dezembro de 2018 | --ºC / --ºC Dólar - Euro

ÚltimaHora
Praias de João Pessoa

SMSJP alerta banhistas sobre afogamentos

Comentários:
publicado em 23/12/2018 às 08h24
atualizado em 23/12/2018 às 13h02
A- A+
(Imagens ilustrativas)

No verão, o número de pessoas que aproveitam os dias de sol em praias e piscinas cresce e, além dos cuidados com a saúde, com a pele e com a alimentação, a Secretaria de Saúde de João Pessoa (SMS) chama atenção para a necessidade de ficar alerta com o risco de afogamento tanto de crianças, quanto de adultos.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o afogamento está entre as principais causas de morte de crianças pequenas, em todos os países, e que cerca de 360 mil pessoas, de todas as idades, morrem afogadas por ano no mundo.

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, todos os dias, 17 pessoas morrem afogadas e, dessas, três são crianças. De acordo com a ONG Criança Segura, em 2016, foram 913 óbitos por afogamento de crianças de até 14 anos, sendo essa a maior causa de morte acidental entre crianças com idade de um a quatro anos, e tendo a piscina como o local onde a maioria das fatalidade ocorre.

Nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) foram quatro atendimentos realizados esse ano, entre adultos e crianças, em decorrência de afogamento. Para o atendimento de urgência nessas situações, a população deve ligar para o 193 – Corpo de Bombeiros, que fará o salvamento inicial e se necessário, encaminhamento ao serviço médico.

Segundo números do Corpo de Bombeiros, de janeiro até metade do mês de novembro, no litoral paraibano, desde a praia de Camaratuba até Acaú, foram seis afogamentos com óbito, 18 afogamentos sem óbito e 108 resgates aquáticos.

O coordenador médico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de João Pessoa, Luis Renato Custel, lembra que em casos de afogamento é primordial manter a calma e chamar a ajuda do profissional salva-vidas e corpo de bombeiros.

“São muitas circunstâncias que levam até o acidente com afogamento, que também pode acontecer em águas rasas e até em acidentes domésticos com baldes de água e banheiras, principalmente com crianças. Por isso, é extremamente importante respeitar as normas e orientações de banho em determinados locais, conhecer a profundidade de onde está se expondo e manter as crianças sob fiscalização constante de um adulto”, explica o médico do Samu João Pessoa.

“Para bebês e crianças, pequenas baldes, banheiras e até vasos oferecem riscos além do mar e da piscina, por isso é importante cercar as piscinas ou mantê-las cobertas, que a criança sempre use o colete salva-vidas e principalmente, que esteja sempre sendo vigiada por um adulto, principalmente dentro de casa.”, explica o coordenador médico do Samu.

Ele continua: “Mas nem só criança se afoga. Os adultos acham que sabem nadar e acabam se arriscando muito mais, mas nunca devemos confiar que somos bons nadadores. Além disso, evite a associação com a bebida alcoólica já que ela diminui as capacidades cognitivas”, comenta Luis Renato Custel.

Confira outras dicas de prevenção de acidentes com afogamento:

Respeite as placas de locais de permissão ou não ao banho, siga e respeite as orientações do salva-vidas.

Esteja sempre à vista de um guarda-vidas. Caso veja alguém se afogando, se acalme e chame o salva-vidas com apoio dos bombeiros (193)

Nunca tenha autoconfiança de bom nadador.

Cuidado com o nível de água, água acima do umbigo é sinal de perigo, sabemos também que pode haver afogamento até em águas rasas como em baldes de água e banheiras. Todo cuidado é pouco. Conheça a profundidade sempre!

Evite extravagâncias de ingestão de alimentos ou bebidas alcoólicas, elas não combinam com banho de mar ou piscina.

Mantenha crianças sempre sob sua vista. A melhor boia é a supervisão de um adulto.

Se você perceber que irá se afogar ou estiver passando mal dentro da água peça ajuda e não lute contra a correnteza.

Só ajude alguém se afogando se você estiver treinado, caso contrário chame os salva-vidas e os bombeiros 193. Sempre jogue uma bóia ou algum objeto flutuante para a pessoa se agarrar enquanto o socorro chega. Evite chegar perto da pessoa sem nenhum objeto que flutua, pois vocês dois podem se afogar. Se a pessoa estiver inconsciente, puxe-a para a beira, retire da água, e deixe-a de barriga para cima. Chame ajuda sempre!

Se você estiver numa embarcação respeite as normas de segurança e use colete salva-vidas. Peça ajuda de um profissional para colocá-lo.

MaisPB

Certificado digital mais barato para advogados e contadores Clique e saiba como adquirir

Leia Também